Mercado automóvel em Portugal com quebra de 16,9% em julho

Já no diz respeito ao período de janeiro a julho de 2020, foram colocados em circulação 96.102 novos veículos, o que representou umadiminuição homóloga de 44,3%.

HO/Reuters

O mercado automóvel em Portugal sofreu uma queda de 16,9% no mês de julho, de acordo com dados avançados pela ACAP – Associação Automóvel de Portugal esta segunda-feira.

“Em julho de 2020 foram matriculados, pelos representantes legais de marca a operar em Portugal, 18.101 veículos automóveis, ou seja, menos 16,9 por cento do que em igual mês do ano anterior”, pode ler-se em comunicado.

Já no diz respeito ao período de janeiro a julho de 2020, foram colocados em circulação 96.102 novos veículos, o que representou uma
diminuição homóloga de 44,3 por cento.

Por categoria, em julho, foram matriculados 15.209 automóveis ligeiros de passageiros novos, menos 17,5% do que no mesmo mês de 2019, enquanto no acumulado dos sete meses, as matrículas destes veículos totalizaram 80.057 unidades, traduzindo uma descida de 45,6% face a igual período do ano anterior.

No mês em causa, o mercado de ligeiros de mercadorias cedeu 19,4%, em comparação com julho de 2019, para 2.529 unidades e de janeiro a julho foram matriculadas 14.151 unidades, uma queda homóloga de 36,1%.

No sentido inverso, o mercado de veículos pesados, que engloba os de passageiros e mercadorias, avançou 67,3% em julho com 363 veículos comercializados, enquanto de janeiro a julho as matrículas fixaram-se em 1.894, um retrocesso homólogo de 42,5%.

Ler mais

Recomendadas

Fisco vai anular multas de 75 euros a trabalhadores independentes que esperam apoio extraordinário

A denúncia partiu hoje da Precários Inflexíveis, dando conta que muitos destes trabalhadores relataram à associação não conseguir submeter o pedido para o apoio relativo a julho, devido ao prazo curto para submeter o requerimento (uma semana, sem aviso prévio) e o tempo que leva a ser confirmada a reabertura de atividade.

Programa Valorizar apoia 24 projetos no Ribatejo e Alentejo em 7 milhões de euros

O apoio abrange projetos nas áreas do autocaravanismo, turismo literário, praias fluviais, estações náuticas, enoturismo e recursos endógenos.

Receita de IRC passa para níveis de 2014. São menos 1,5 mil milhões em 2020

“Andámos seis anos para trás em termos de receita do IRC”, diz Renato Carreira, Tax Partner da Deloitte. Fiscalista recorda que rombo na receita fiscal é em grande parte explicado pelo adiamento dos pagamentos por conta que só serão feitos pelas empresas se no final do ano tiverem lucros que os justifiquem. E a previsão é mais empresas com mais prejuízos, logo menos impostos a entrarem nos cofres do Estado.
Comentários