Mercado de trabalho: taxa de desemprego em Portugal abaixo da média europeia

A taxa de desemprego em Portugal já se situa abaixo da média da zona euro, desde 2017, depois dos anos de crise económica e a tendência deverá manter-se este ano. A taxa de desemprego deverá fixar-se em 6,3%, enquanto a média da zona euro deverá registar 7,9%, segundo dados da AMECO. O setor dos serviços continuou em 2018 a ser, em Portugal, o setor com o maior número de desempregados, com as actividades imobiliárias a liderarem o ranking, seguidas pelo comércio.

Relacionadas

PremiumOnde vai estar o emprego em 2019

As oportunidades estendem-se a todo o país com as áreas de Lisboa e Porto em destaque. TI darão cartas, mas Turismo, Hotelaria, Restauração, Retalho e Engenharias também estarão particularmente dinâmicas.
Recomendadas

‘A Guerra dos Tronos’: todos podem morrer, mas só um (ou uma) será o príncipe prometido

Faltam apenas seis episódios para terminar a série que já foi a mais pirateada do Mundo e que também bate recordes nas audiências e orçamentos. Tudo para que milhões continuem presos aos ecrãs e saibam finalmente quem sairá vitorioso de um conflito violento, sangrento e com desfecho imprevisível. Ao ponto de animar as casas de apostas londrinas, que aceitam palpites e pagam muito pouco pela morte das personagens principais.

Portugal no ‘top3’ dos países com menor investimento

O investimento público na Europa tem caído nos últimos anos e Portugal não é excepção. A Formação Bruta de Capital Fixo das administrações públicas está abaixo da média da União Europeia e da zona euro e este ano o Governo tem como meta 2,3% do PIB. Segundo cálculos do Jornal Económico, a partir de dados da AMECO, este ano o investimento público em Portugal deverá ser o terceiro mais baixo da União Europeia. Apenas Itália e Espanha deverão registar um investimento menor.

Crédito: quantos anos são precisos para comprar uma casa com 100m2?

De norte a sul do país, as diferenças são gritantes. Se tiver de pedir um empréstimo ao banco para comprar casa, a dívida pode estender-se por 15 anos no distrito de Castelo Branco, ou ultrapassar os 45, em Lisboa. São 30 anos de diferença, separados por 225 quilómetros. Se optar pela cidade do interior do país, ainda consegue poupar mais de 240 mil euros no valor do imóvel.
Comentários