Mercado imobiliário em Angola está estagnado, defende associação

Pedro Caldeira, presidente da associação imobiliária angolana, responsabiliza o crédito malparado e a economia “muito dolarizada” pela asfixia do setor.

A necessidade habitacional em Angola é “brutal”, mas o mercado imobiliário está estagnado devido à dificuldade na obtenção de financiamento, alertou o presidente da associação imobiliária angolana (IPIMA).

“O mercado imobiliário está estagnado, não se produzem praticamente imóveis novos. Temos de acompanhar o crescimento do país (..) Estamos há sete ou oito anos parados e a necessidade habitacional em Angola é brutal”, disse Pedro Caldeira em entrevista à agência Lusa, responsabilizando o crédito malparado e a economia “muito dolarizada” pela asfixia do sector.

“Os bancos têm uma carteira de crédito malparado muito grande (…) e as empresas não se conseguem financiar”, salientou. Além disso, o crédito à habitação não é uma prática habitual pois os angolanos estão mais habituados a comprar a pronto ou recorrer a empréstimos junto de familiares.

Por isso, a maior parte do crédito concedido era para investimento. Nos últimos anos, a desvalorização acentuada do kwanza agravou os problemas.

“A economia era muito dolarizada e muito do crédito que foi concedido entre 2007 e 2012 era indexado ao dólar. Mas ao retirar liquidez do mercado para combater a especulação da venda da moeda, o governo também retirou liquidez da vida das pessoas, para investir, para viverem. E as empresas começaram a fechar”, lamentou o mesmo responsável, sublinhando que “não há economia nem empresários que consigam acompanhar a desvalorização do kwanza”.

Recomendadas

CMVM prorroga até 31 de maio deveres de reporte dos peritos avaliadores de imóveis

A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários informou que foi prorrogado até dia 31 de maio de 2020 o prazo de reporte de informação, previsto na lei, para os peritos de avaliação de imóveis. Esse prazo é sucessivamente prorrogado por um mês até ao encerramento do Estado de Emergência.

Investimento na reabilitação urbana em Lisboa caiu 12% em 2019

O investimento total na reabilitação urbana fixou-se nos 5.200 milhões de euros correspondentes a cerca de 10.720 transações.

Quase 100% das imobiliárias registam quebras na procura e negócios

Inquérito realizado pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) às imobiliárias revela quebras na procura e nos negócios provocadas pelo surto do coronavírus.
Comentários