Mercado imobiliário em Portugal dá sinais de abrandamento e “futuro incerto”

O crescimento significativo número de novas empresas este ano não contraria o facto da consultora Imovendo olhar para as fragilidades do mercado imobiliário.

Numa altura em que o país enfrenta uma pandemia e o PIB atinge mínimos históricos devido à queda do turismo, a consultora Imovendo considera que esses podem ser fatores que farão “arrefecer” o mercado imobiliário nos próximos meses.

De acordo com o relatório mensal divulgado pela imobiliária, “o período de recuperação do mercado imobiliário registado em Portugal desde o desconfinamento (em início de maio) parece estar a abrandar” referindo ainda que esta área de atividade tem “futuro incerto” ao longo dos próximos meses.

Com o verão como um período dinâmico na procura imobiliária, os meses seguintes trazem habitualmente um decréscimo da procura. Segundo as estimativas da Imovendo, este fator poderá ser ainda mais significativo “uma vez que parte da procura que alimentou o mercado nestes últimos meses, resultou de decisões de investimento anteriores ao confinamento e de necessidades geradas pelo próprio confinamento, pelo que esta força motriz perderá agora tração e arrastará consigo o mercado.”

A empresa refere inclusive que, após maio, mês de início do desconfinamento, “muitos profissionais têm reportado bons resultados”. Desde junho a empresa refere que foram criadas 300 novas empresas, um número que a Imovendo considera ser “impressionante”, no entanto é destacado que estas novas empresas poderão “colocar pressão acrescida sobre um setor que enfrenta um futuro incerto”.

Para os próximos meses, a consultora antecipa três grandes dinâmicas: o ajustamento gradual dos preços de vendas às novas dinâmicas do mercado, o reforço da relevância das ferramentas tecnológicas como um instrumento de trabalho e ainda a necessidade de encontrar novas estratégias para comercializar imóveis. A consultora destaca que, neste último ponto, será importante “garantir que o esforço de ajustamento dos preços não recai na totalidade sobre o proprietário”.

Recomendadas

Rainha de Inglaterra já perdeu 590 milhões de euros com desvalorização do património imobiliário

A desvalorização dos imóveis é atribuída à quarentena imposta em Londres, deixando lojas vazias e rendas por pagar. O relatório publicado esta sexta-feira cita as condições “desafiadoras” para os retalhistas em edifícios da Crown Estate “aceleradas pela pandemia de Covid-19” em todo o Reino Unido.

PremiumProfissionais do turismo optam pelo imobiliário

Profissionais de engenharia, arquitetura e marketing olham para a falta de emprego como oportunidade de mudança para o setor imobiliário. Até final do ano, poderão ultrapassar os 50% de recrutados.

GV+A Arquitectos e Speisse “criam montra” em Portugal com edifício em Campo de Ourique

Empreendimento concluído no final deste mês de setembro representa investimento superior a dois milhões de euros, suportado pelo empresário Gonçalo Nobre da Veiga, dono das duas empresas. “Foi uma maneira de criar montra, em Portugal, para mostrar a nossa capacidade de trabalho”. Depois de Angola, GV+A Arquitectos e a construtora Speisse voltam-se para o mercado português.
Comentários