PremiumMercado moçambicano em alta no grupo Mota-Engil

Moçambique já é o segundo maior mercado da Mota-Engil em África, depois de Angola. No primeiro semestre de 2019, a faturação mais que duplicou.

A Mota-Engil está presente em Moçambique desde 1991 e apesar das crises económicas, da instabilidade política, das catástrofes naturais e do mais recente problema da segurança, o grupo liderado por António Mota e por Gonçalo Moura Martins tem perseverado e o mercado com vista para o Índico já é o segundo maior da construtora em África em volume de negócios e em carteira de encomendas, neste caso um pouco acima de 400 milhões de euros, de acordo com informações recolhidas pelo Jornal Económico junto de fonte oficial da Mota-Engil.

Na semana que foi marcada pela tomada de posse do segundo mandato do presidente moçambicano, Filipe Nyussi, dois dos mais destacados representantes políticos portugueses na cerimónia, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, sublinharam a relevância das relações económicas entre as empresas dos dois países. Um quadro em que se destaca a Mota-Engil, pelas quase três décadas de presença no país e pelo crescimento da operação, uma vez que no primeiro semestre de 2019, o volume de negócios do grupo neste mercado mais que duplicou (subida de 114%) face ao período homólogo, embora não tenham sido divulgados os dados absolutos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

PremiumMota-Engil deverá ganhar mil milhões com projetos de gás natural em Moçambique

Um estudo reservado da consultora Nau Securities prevê que o EBITDA da construtora nacional neste país possa ser crescer em 30% nos próximos cinco anos devido aos contratos estimados nesta área.

Caixa BI escolhe Mota, REN, Sonae e Sonae Capital como ‘top picks’ para 2020

O banco de investimento da CGD antevê um 2020 positivo para o PSI 20, com uma subida potencial de 13% alimentada pelas pares na Europa e nos EUA e o menor risco-país de Portugal. Sobre as favoritas: a Mota-Engil vai ganhar com expansão internacional, a REN é um porto seguro, a Sonae tem vários pontos de ganhos e a Sonae Capital está exposta a muitas oportunidades.
Recomendadas

Secil com expetativas positivas para 2020 no setor do cimento

De acordo com as estatísticas, o mercado de cimentos em Portugal em 2019 terá crescido cerca de 15% comparativamente ao período homólogo.

Ex-gestor da CGD, BFA e Sonangol entra na administração da Mota-Engil

O novo administrador da Mota-Engil Emídio José Bebiano e Moura da Costa Pinheiro foi administrador do Banco Fomento de Angola, da Caixa e, depois, da Sonangol Holdings e Indústria.

Grupo IDS passa a acionista de referência da Teixeira Duarte

A IDS, que passou a controlar mais de 2% do capital da construtora, é liderada por António Eduardo dos Santos Sardo, e opera nas áreas de imobiliário, financeira e ‘private equity’.
Comentários