Mercadona anuncia abertura da primeira loja em Aveiro

A loja abre a 24 de março e vai criar 60 postos de trabalho.

Mercadona Ovar

A Mercadona anunciou a abertura da primeira loja em Aveiro para 24 de março. Para 2020 a empresa pretende abrir 10 lojas nos distritos de Aveiro, Porto e Viana do Castelo. As sessões de apresentações aos vizinhos do novo supermercado começam a 29 de fevereiro e terminam a 8 de março.

Com a abertura de um supermercado em Aveiro, na Avenida Europa, a Mercadona passa a ter 11 supermercados no país.

O supermercado em Aveiro, localizado na zona do antigo Matadouro, vai criar 60 postos de trabalho.

“Esta abertura é mais um importante passo no nosso projeto de expansão em Portugal, numa cidade tão dinâmica e em constante renovação como é Aveiro. Depois das lojas abertas neste distrito em 2019, em Ovar e São João da Madeira, a cidade recebe agora o primeiro dos dez supermercados Mercadona que abrem em 2020 e marca o arranque de mais um ano de sucesso no nosso país”, disse Inês Santos, Diretora de Relações Externas Centro e Sul de Portugal.

Em 2020 estão confirmadas aberturas de lojas em Aveiro (onde tem previsto abrir 2 lojas na cidade), Trofa, Águeda, Penafiel, Santo Tirso, Ermesinde, Paços de Ferreira e Viana do Castelo.

As Sessões de Apresentação aos vizinhos vão realizar-se duas vezes ao dia, com duração de uma hora: às 11h e às 18h. Os interessados podem inscrever-se através dos números de telefone 918 724 597 e 910 441 290, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, de 22 de fevereiro a 8 de março.

Ler mais
Recomendadas

PSD e PS chumbam moratórias nos pagamentos dos serviços de telecomunicações

Além de ter sido chumbada a possibilidade de criar moratórias nos pagamentos dos serviços de telecomunicações, o PCP viu PS, PSD, CDS-PP e PAN travar a proposta de implementar “medidas de salvaguarda”, o que impediria as operadoras de cortar serviços durante o Estado de Emergência.

Covid-19: Airbus anuncia redução de um terço na produção de aviões

O construtor europeu de aviões Airbus anunciou esta quarta-feira que vai fazer uma redução de um terço no ritmo de produção, adaptando as suas capacidades à evolução do mercado mundial de aeronáutica face à pandemia de covid-19.

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.
Comentários