Mercadona entra num novo distrito em Portugal ao abrir supermercado em Viana do Castelo

Esta loja gerou 60 novos postos de trabalho, com contrato sem termo desde o primeiro dia, e conta com uma área de vendas de 1.900 metros quadrados e 120 lugares de estacionamento.

A cadeia espanhola de distribuição espanhola Mercadona entrou hoje, dia 2 de dezembro, num novo distrito em Portugal, ao abrir mais um supermercado ao nosso país, na cidade de Viana do Castelo.

Esta passou a ser a 19ª loja da Mercadona a operar em Portugal.

Na inauguração deste supermercado estiveram presentes José Maria Costa, presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo; José Ramos, presidente da União de Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela; e Manuel Cunha Júnior, presidente da Associação Empresarial de Viana do Castelo.

“Esta loja gerou 60 novos postos de trabalho, com contrato sem termo desde o primeiro dia, e conta com uma área de vendas de 1.900 metros quadrados e 120 lugares de estacionamento”, assegura um comunicado da Mercadona, adiantando que o plano de expansão do para o presente ano inclui ainda a abertura de mais uma loja até final de 2020: Campanhã, no Porto, no dia 16 de dezembro.

A nova loja encontra-se instalada na Estrada da Abelheira, n.º 1327, na localidade de Abelheira.

Dispondo das seções de talho, charcutaria, peixaria, pastelaria e padaria, perfumaria, frutas e legumes e pronto a comer, “este espaço foi concebido segundo o ‘Modelo de Loja Eficiente’ que a Mercadona está a implementar em toda a sua cadeia e que representa uma poupança energética superior a 40% face a uma loja tradicional”.

“A empresa, tal como tem vindo a fazer desde o início desta situação de pandemia, continuará a aplicar todas as medidas de segurança dentro das suas lojas com o objetivo de garantir a saúde e segurança dos seus colaboradores e clientes”, garante o referido comunicado.

Os responsáveis da Mercadona esclareme que, atualmente, o horário de funcionamento do supermercado de Viana do Castelo é das 9:00h às 21:30h, de segunda-feira a domingo.

“O horário está sujeito às restrições temporárias que eventualmente venham a ser decretadas pelas entidades competentes, e que serão informadas nos canais próprios da empresa”, alerta a Mercadona.

José Maria Costa, presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo sublinhou: “Estou agradavelmente surpreendido com a forma e a organização de toda a loja e quero felicitar a Mercadona por mais este investimento, que é naturalmente também uma forma de aumentar o poder de escolha dos cidadãos de Viana do Castelo, mas acima de tudo por ser uma empresa que vai proporcionar mais postos de trabalho e também ativar a economia e os produtores. Os meus parabéns e desejos de muito sucesso”.

Entretanto, Sofia Cardoso, diretora de relações externas da Mercadona no norte de Portugal, refere que “a Mercadona cumpre hoje o forte desejo de chegar ao distrito de Viana do Castelo, cidade de história e tradição, etapa importante do nosso plano de expansão”.

“É com imenso orgulho e satisfação que chegamos a um novo distrito, num espírito de partilha com todos os vianenses. A Mercadona oferece um conceito de loja ecoeficiente, sendo os seus supermercados modernos, práticos e amigos do ambiente, ao qual se soma um serviço de excelência, onde se pode encontrar qualidade, frescura e preços competitivos. Também nesta loja vamos continuar a ser uma referência no respeito pelas mais exigentes normas e regras de higiene e segurança, determinantes nos dias que atualmente vivemos”, concluiu esta responsável.

Ler mais

Recomendadas

Ferro Rodrigues destaca papel dos parlamentos na recuperação europeia

O presidente da Assembleia da República destacou esta sexta-feira a urgência de pôr em marcha o Fundo de Recuperação europeu e realçou o papel dos parlamentos dos Estados-membros para a que verbas sejam desbloqueadas.

“É quase inevitável que o crédito malparado começe a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” do crédito malparado, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

Recuperação da economia portuguesa não acompanhará ritmo da europeia

A recuperação da economia portuguesa após a crise pandémica “deverá acompanhar apenas temporalmente a recuperação europeia, mas não o seu ritmo”, segundo o relatório trimestral da consultora SaeR (Sociedade de Avaliação de Estratégia e Risco) divulgado esta sexta-feira.
Comentários