Metro de Lisboa adjudica obra da ligação Rato a Santos à Zagope por 48,6 milhões de euros

A adjudicação ocorre depois da empresa ter recebido para a empreitada entre a estação do Rato e a de Santos quatro propostas. A empreitada como prazo de execução 960 dias, “contados a partir da consignação, que só pode ocorrer após obtenção do visto prévio do Tribunal de Contas”.

Rafael Marchante/Reuters

O Metropolitano de Lisboa adjudicou a empreitada do primeiro lote da ligação da estação do Rato à de Santos à empresa Zagope – Construção e Engenharia, S.A., por 48.624.000 euros, ao qual acresce a taxa de IVA, anunciou a empresa em comunicado, divulgado este domingo.

A adjudicação ocorre depois da empresa ter recebido para a empreitada entre a estação do Rato e a de Santos quatro propostas: da Mota Engil, SA / Spie Batignolles International, sucursal em Portugal, num valor de 49,6 milhões euros; da Casais, Engenharia e Construção, SA / Acciona Construcion, SA (47,6 milhões de euros); da Zagope, Construção e Engenharia, SA (48,6 milhões de euros); e da Teixeira Duarte, Engenharia e Construções, SA / Alves Ribeiro, SA / HCI — Construções, SA / Tecnovia, Sociedade de Empreitadas, SA, (77 milhões de euros).

“O Metropolitano de Lisboa, na sequência do concurso limitado por prévia qualificação para a “Empreitada de Projeto e Construção dos Toscos no âmbito da concretização do Plano de Expansão do Metropolitano de Lisboa – Prolongamento das Linhas Amarela e Verde (Rato – Cais do Sodré)” aprovou, no dia 09 de abril, a decisão de adjudicação para a celebração do contrato referente ao Lote 1: Execução dos toscos entre o término da Estação Rato e a Estação Santos”, explicou a empresa em comunicado.

A administração do metro de Lisboa informa que “a assinatura do contrato ocorrerá decorridos os prazos legais e a tramitação subsequente, nos termos do regime fixado no Código dos Contratos Públicos”, tendo a empreitada como prazo de execução 960 dias, “contados a partir da consignação, que só pode ocorrer após obtenção do visto prévio do Tribunal de Contas”.

“O plano de expansão do Metropolitano de Lisboa tem como objetivo contribuir para a melhoria da mobilidade na cidade de Lisboa, fomentando a acessibilidade e a conectividade em transporte público, promovendo a redução dos tempos de deslocação, a descarbonização e a mobilidade sustentável”, refere a empresa.

Para o Lote 2, foram apresentadas duas propostas em janeiro, com valores superiores ao preço base definido no processo de concurso, o que segundo os regulamentos levará à exclusão das mesmas.

O concurso é inserido no plano de expansão da rede com o prolongamento das linhas Amarela e Verde Rato/Cais do Sodré. Em fevereiro, o Parlamento aprovou a suspensão por um ano do início da construção desta linha de forma a realizar um estudo, no entanto, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu que não se justifica um recurso ao Tribunal Constitucional por causa da linha circular, argumentando que o parlamento apenas formulou uma recomendação, sem suspender qualquer decisão administrativa.

Ler mais
Recomendadas

TAP propõe acordo com tripulantes para vigorar até final de 2024

O acordo, segundo o qual “as medidas acordadas referentes a retribuições e outras prestações pecuniárias, retributivas ou não, produzem efeitos a 1 de janeiro de 2021”, estabelece a suspensão “das tabelas salariais e remuneratórias em vigor à data da entrada em vigor deste acordo, incluindo as constantes de normativo específico de cada função e/ou de acordos individuais”.

Turismo do Centro apresenta novas iniciativas para as Rotas das Invasões Francesas

O destaque vai para a apresentação das rotas turísticas relativas à Terceira Invasão Francesa, que teve início em julho de 1810 e terminou em abril de 1811. No território nacional, a invasão iniciou-se em Almeida e continuou para o Bussaco, onde teve lugar uma importante batalha, tendo terminado nas Linhas de Torres Vedras, de onde os franceses retiraram em perda.

Pilotos do porto de Aveiro resgatam navio da ETE

Depois de ativados os procedimentos de segurança, os serviços técnicos de pilotagem do porto de Aveiro em colaboração com os rebocadores e em articulação com a Capitania, “a operação do salvamento do navio e tripulação foi realizada com sucesso, encontrando-se o navio atracado em segurança”.
Comentários