Metro de Lisboa vai ter direito a megamanutenção superior a três milhões de euros

O valor total de 3.360.560 euros vai ser distribuído entre 2020 e 2025. Para este valor inclui-se um programa de manutenção que incluiu serviços em “escadas mecânicas, tapetes rolantes e elevadores das estações, edifícios e parques oficiais do Metropolitano de Lisboa”.

O Metropolitano de Lisboa foi na passada terça-feira, 3 de dezembro, autorizado a realizar a repartição dos encargos relativamente ao contrato de “serviços de manutenção completa, manutenção preventiva e corretiva”. Em causa está a megamanutenção de 232 escadas rolantes, 10 tapetes rolantes e 125 elevadores que se encontram nas estações.

A autorização foi publicada em Diário da República e incluiu ainda os edifícios e parques oficiais do Metropolitano de Lisboa. Para isso, os gabinetes das Finanças e do Ambiente e Ação Climática autorizam a que as obras de manutenção tenham início em 2020 e “termo até 31 de outubro de 2025, prevendo-se um prazo de execução de 60 meses”, contando a partir da data de assinatura de contrato.

Estes serviços de manutenção completa, preventiva e corretiva deverão ter um custo de 3.336.560 euros, um valor superior a três milhões de euros, ao qual ainda vai acrescer a taxa do IVA. Assim, este encargo financeiro vai ser repartido plurianualmente pelos anos económicos de 2020 a 2025.

Para tal acontecer, o ministro do Ambiente e Ação Climática e o secretário de Estado do Orçamento distribuíram o orçamento total pelos diversos anos. Desta forma, em 2020 estão atribuídos 211.560 euros, enquanto até 2025 estão distribuídos 625 mil euros, por ano.

De relembrar que, atualmente, todas as estações do Metro de Lisboa contam com acessibilidade para portadores de deficiência físicas em todas as 33 estações existentes. Por sua vez, uma das queixas mais frequentes, além do tempo de espera, é a avaria constante das escadas rolantes em São Sebastião, Baixa-Chiado e Olaias.

Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários