Metro do Porto fecha compra de 18 novas composições na próxima semana

A empresa chinesa CRRC Tangsthan venceu o concurso que prevê o fornecimento das novas composições, com um valor de 49,6 milhões de euros, que destinam-se a servir as novas linhas da Metro do Porto que vão estar concluídas em 2022/23.

O Metro do Porto vai celebrar o contrato para a compra de 18 novas composições na próxima semana. O anúncio foi feito hoje pelo Governo no Parlamento.

“Hoje tivemos a boa notícia de que não houve contestação judicial da decisão da adjudicação das 18 composições do Metro do Porto”, disse João Pedro Matos Fernandes esta terça-feira.

“Portanto, o contrato para a sua aquisição será celebrado na próxima semana”, revelou esta terça-feira, durante a apresentação do programa da sua tutela no âmbito do Orçamento do Estado para 2020.

Em dezembro, a Metro do Porto anunciou que a empresa chinesa CRRC Tangsthan venceu o concurso que prevê o fornecimento de 18 novas composições, segundo a Agência Lusa.

A empresa de transportes vai pagar 49,6 milhões de euros à CRRC, menos 6,5 milhões do que o valor base do procedimento.

Estas 18 novas composições destinam-se a servir as novas linhas da Metro do Porto que vão estar concluídas em 2022/23.

“O nosso objetivo passa por antecipar a contratação e a entrega desses novos veículos, de modo a que, até ao final de 2021, eles possam estar a circular na rede do Metro, aumentando assim a oferta”, disse o presidente da empresa à Lusa em outubro.

Ler mais
Recomendadas

Ensaios iniciais da Johnson & Johnson mostram resposta imune em 98% dos participantes

O fármaco, disponível no formato de uma ou duas tomas, já avançou esta semana para a fase 3 dos ensaios clínicos, pelo que os especialistas avisam que estes resultados preliminares ainda são de interpretação limitada.

Montepio entrega plano de transformação aos trabalhadores dia 6. Previstas entre 600 a 900 saídas

Plano de transformação do Banco Montepio entregue aos trabalhadores dia 6 outubro e prevê a saída de, pelo menos, 600 pessoas, e um máximo de 900, através de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo. Já estão identificados 37 balcões para encerrar, estando mais cerca de 40 em equação.

Regulador europeu pede fim da suspensão do Boeing 737 Max

“Pela primeira vez em ano e meio, posso dizer que o trabalho com o 737 Max está quase a terminar”, apontou Patrick Ky, diretor executivo da Agência de Segurança de Aviação da União Europeia (EASA, sigla inglesa).
Comentários