Mexia e Manso Neto suspensos por oito meses. Recurso não suspende efeitos da medida de coação

A suspensão é de oito de meses — o máximo previsto na lei para esta medida de coação — e não será interrompida, porque neste caso em concreto o recurso não tem efeitos suspensivos.

António Mexia, CEO da EDP, e João Manso Neto, CEO da EDP Renováveis (EDPR) foram esta segunda-feira suspensos do exercício das suas funções por decisão judicial. A suspensão é de oito de meses — o máximo previsto na lei para esta medida de coação — e não será interrompida, porque neste caso em concreto o recurso não tem efeitos suspensivos.

O Jornal Económico confirmou junto de elementos das equipas de defesa que o prazo máximo da medida de coação é de oito meses.

O Jornal Económico noticiou hoje que as equipas de defesa dos dois arguidos no ‘caso EDP’, António Mexia e João Manso Neto, vão apresentar recurso da decisão judicial do juiz Carlos Alexandre, que decretou o reforço das medidas de coação aos dois gestores, após pedido do Ministério Público.

A suspensão de António Mexia e João Manso Neto tem efeitos imediatos e não foi a única medida de coação determinada pelo juiz Carlos Alexandre.

Os dois gestores ficam inibidos de entrarem nos edifícios do Grupo EDP, estão proibidos de saírem do país e terão ainda de prestar, cada um, uma caução de um milhão de euros.

 

Ler mais
Relacionadas

Defesa de Mexia e Manso Neto vai recorrer da decisão de Carlos Alexandre

Saída antecipada de Mexia pode alterar equilíbrio de poder na EDP. Defesa de António Mexia e Manso Neto vai recorrer da decisão que impede os dois gestores de desempenhar funções no grupo EDP. “Sim, sem qualquer margem de dúvidas”, garante o advogado João Medeiros.

Juiz Carlos Alexandre dá 15 dias para António Mexia e João Manso Neto pagarem caução de dois milhões de euros

Decisão surge no âmbito do inquérito que investiga a introdução dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC). Juiz Carlos Alexandre decidiu suspender os líderes da EDP e da Renováveis e proibiu a entrada dos gestores em todos os edifícios da elétrica. E ordenou o depósito de cauções totais de dois milhões de euros: um milhão de euros para o presidente da comissão executiva da EDP, António Mexia, e um milhão de euros para Manso Neto, presidente executivo da EDP Renováveis

De que são acusados António Mexia e João Manso Neto e o que diz a defesa

O Ministério Público imputa a António Mexia e Manso Neto, em coautoria, a prática de quatro crimes de corrupção ativa e de um crime de participação económica em negócios. Investigação começou há oito anos e os dois gestores foram constituídos arguidos no processo em 2017.
Recomendadas

Parlamento chumba divulgação pública e integral da auditoria da Deloitte ao Novo Banco

O Parlamento chumbou esta quarta-feira o requerimento apresentado pelo Bloco de Esquerda que pedia a divulgação pública, imediata e integral do relatório da auditoria especial que a Deloitte realizou aos actos de gestão do BES/Novo Banco, com votos contra do PS e do PSD.

Há 25 milhões de empresas europeias a usar ferramentas do Facebook: “Maioria utiliza grátis”, diz rede social

Esta semana Mark Zuckerberg ameaçou abandonar as suas redes sociais na União Europeia. A empresa garante, no entanto, que está comprometida na recuperação económica dos Estados-membros. “O modelo de publicidade personalizada é que nos permite dar essas ferramentas gratuitamente e traz igualdade de condições”, refere Nick Clegg, vice-presidente de Assuntos Globais da empresa.

Deco defende mudanças no acesso à tarifa social após fim da suspensão dos cortes

A associação de defesa do consumidor Deco emitiu hoje um alerta a lembrar que o regime que impede a suspensão dos serviços essenciais termina no final deste mês e a defender mudanças no acesso às tarifas sociais.
Comentários