PremiumMiguel Maya quer BCP com 65% de clientes digitais em 2021

O banco apresentou os resultados semestrais a subirem 67,5% para 150,6 milhões e uma redução do crédito problemático no semestre de 993 milhões, por vendas de crédito, ‘write-offs’ e recuperações.

No dia em que apresentou uma subida dos lucros de 67,5% para 150,6 milhões de euros no semestre, com a atividade em Portugal  a dar um “contributo de 59 milhões de euros, comparando com 1,6 milhões de euros no mesmo período de 2017”, Miguel Maya anunciou os detalhes do Plano Mobilizar do BCP. Um plano que assenta na aposta na banca digital e sobretudo no mobile banking – a banca que usa o smartphone como balcão. É ainda a vez do Activo Banco, que Miguel Maya diz que até 2021 quer duplicar o número de clientes.

“Vamos reinventar o banco”, anunciou o presidente do BCP. A ambição para 2021 passa pela multiplicação por três nas vendas digitais; mais 20% de tempo dedicado pelas sucursais a necessidades complexas; aumento das vendas por funcionário de 15%; multiplicar por três a quota de clientes affluent (de alto rendimento) com aconselhamento remoto; e reduzir em mais de 10% os custos nos serviços centrais devido à introdução das novas tecnologias. Mas também mais 1,2 mil milhões de euros de nova produção de crédito à habitação (o que significa mais três pontos percentuais na quota de mercado em nova produção de crédito à habitação); mais 470  milhões na nova produção de crédito ao consumo; mais 51 mil novos clientes affluent;  com  isto é esperada uma contribuição de cerca de 100 milhões para o produto bancário. Para as empresas, as metas do BCP para 2021 são: mais 1,1 mil milhões de euros de stock de crédito a pequenos negócios; mais 1,2 mil milhões de stock de crédito a PME; e mais 100  milhões de produto bancário também aqui.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui aqui ao JE Leitor

Recomendadas

BPI montou a Oferta Pública de Distribuição de Ações da Allianz SE dirigida a trabalhadores

O Banco Português de Investimento foi o banco que ficou com a Organização e Montagem desta operação em Portugal

BCP baixa participação na Reditus para 14,975%

O BCP, na sequência da alienação em bolsa, no dia 16 de outubro de 2018, de 5.000 ações da Reditus SGPS ao preço médio de 0,0920 euros, “passaram a ser imputáveis” ao banco ações, representativas de 14,975% do capital social da Reditus, a que corresponde 15,241% dos direitos de voto.

BCP lança MWallet para apanhar o comboio dos pagamentos digitais

“Esqueceu-se do cartão? Pague com a MWallet!”, é o slogan do BCP que está assim a dar corpo ao plano estratégico de Miguel Maya, e que passa por “colocar o mobile no dia-a-dia dos clientes”.
Comentários