PremiumMiguel Maya quer BCP com 65% de clientes digitais em 2021

O banco apresentou os resultados semestrais a subirem 67,5% para 150,6 milhões e uma redução do crédito problemático no semestre de 993 milhões, por vendas de crédito, ‘write-offs’ e recuperações.

No dia em que apresentou uma subida dos lucros de 67,5% para 150,6 milhões de euros no semestre, com a atividade em Portugal  a dar um “contributo de 59 milhões de euros, comparando com 1,6 milhões de euros no mesmo período de 2017”, Miguel Maya anunciou os detalhes do Plano Mobilizar do BCP. Um plano que assenta na aposta na banca digital e sobretudo no mobile banking – a banca que usa o smartphone como balcão. É ainda a vez do Activo Banco, que Miguel Maya diz que até 2021 quer duplicar o número de clientes.

“Vamos reinventar o banco”, anunciou o presidente do BCP. A ambição para 2021 passa pela multiplicação por três nas vendas digitais; mais 20% de tempo dedicado pelas sucursais a necessidades complexas; aumento das vendas por funcionário de 15%; multiplicar por três a quota de clientes affluent (de alto rendimento) com aconselhamento remoto; e reduzir em mais de 10% os custos nos serviços centrais devido à introdução das novas tecnologias. Mas também mais 1,2 mil milhões de euros de nova produção de crédito à habitação (o que significa mais três pontos percentuais na quota de mercado em nova produção de crédito à habitação); mais 470  milhões na nova produção de crédito ao consumo; mais 51 mil novos clientes affluent; com  isto é esperada uma contribuição de cerca de 100 milhões para o produto bancário. Para as empresas, as metas do BCP para 2021 são: mais 1,1 mil milhões de euros de stock de crédito a pequenos negócios; mais 1,2 mil milhões de stock de crédito a PME; e mais 100  milhões de produto bancário também aqui.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Banca comercial de Angola volta a pedir dinheiro ao BNA em agosto

Valor até ao oitavo mês do ano está 66% abaixo do homólogo.

Commerzbank quer cortar mais 4.300 empregos e vender posição no polaco mBank

O banco alemão deverá chegar ao final de 2020 com 38 trabalhadores a tempo inteiro, mas pretende criar dois mil postos de trabalho noutras áreas, segundo o novo programa estratégico.

BCP emite 450 milhões de dívida subordinada e paga 3,871%

A emissão, no montante de 450 milhões de euros, terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo Millennium BCP no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos.
Comentários