Militares na gestão

A decisão do presidente brasileiro, de nomear um general na reserva para chefiar a Petrobras, desencadeou uma onda de vendas nas ações da petrolífera e na generalidade dos ativos brasileiros.

Jair Bolsonaro decidiu nomear um general na reserva para chefiar a Petrobras, o que provocou uma onda de vendas nas ações da petrolífera e na generalidade dos ativos brasileiros.

Compreensivelmente, o mercado não apreciou o sinal dado pela presidência de colocar Joaquim Silva e Luna, militar sem experiência no setor, à frente da segunda maior empresa do Brasil e castigou as ações da empresa com uma perda de 20% num só dia. Teme-se que a gestão possa ser cada vez mais influenciada por fatores políticos do que técnicos e que a tentação de nomear apenas com base na confiança política e pessoal possa alastrar a outras empresas públicas.

Esse seria um caminho contrário àquilo que se esperava de um percurso mais reformador e liberal. Paulo Guedes, o ministro da Economia, não terá apreciado esta decisão e o presidente já sentiu necessidade de o adular, elogiando-o em público dois dias depois. A decisão de cooptar um militar para a Petrobras coloca dúvidas acerca da capacidade e vontade de Bolsonaro modernizar a economia e as instituições brasileiras.

Em defesa de Bolsonaro, reconheça-se que Roberto Castello Branco, o anterior líder da Petrobras, foi também nomeado politicamente por Dilma Rousseff quando não tinha experiência relevante na indústria. E, por outro lado, o Planalto está com um problema difícil de gerir:  não só a situação económica – que era promissora no início de 2020 – complicou-se de forma significativa com a pandemia, como agora se depara com uma subida da inflação e muito em concreto do preço dos combustíveis, ligada à alta do petróleo.

Bolsonaro sentiu necessidade de defender a sua base eleitoral, recorrendo ao “truque” de tentar dar a aparência de colocar ordem na casa, mas se repetir a graça, o mercado não irá certamente perdoar.

Recomendadas

Novos impostos sobre capital arruínam o dia em Wall Street

Não é uma notícia confirmada, apenas um rumor: a administração Biden pode estar a preparar novos impostos sobre os grandes salários e sobre os rendimentos do capital. Wall Street tremeu de imediato.

“Mercados em Ação”. “Principal fator para a força do euro é a fraqueza do dólar”

“Penso que os dois fatores contribuem. O principal fator que contribui para a força do euro será a fraqueza do dólar, neste momento. Claro que temos também o aumento do apetite pelo risco”, salientou o analista sénior Ricardo Evangelista no programa da JE TV.

Grupo EDP dispara em bolsa em reação ao compromisso de redução de emissões em 50% dos EUA

O grupo energético português juntou-se a mais 406 empresas que pediram à administração de Joe Biden que assumisse compromissos climáticos mais “ambiciosos” no dia em que decorre a Cimeira para o Clima.
Comentários