Millennials estão menos leais às empresas, revela estudo da Deloitte

Quase metade (43%) dos inquiridos no âmbito do “Millennial Survey 2018” tenciona deixar o seu local de trabalho dentro de dois anos.

Nunca como hoje as gerações mais jovens tiveram tão pouca confiança nas empresas, conclui o “Millennial Survey 2018“. A perceção desta geração atingiu o nível mais baixo dos últimos quatro anos, com apenas 48% dos inquiridos a considerar que empresas se comportam de forma ética (eram 65% em 2017) e 47% a acreditar que os líderes empresariais estão empenhados em criar um impacto positivo na sociedade (62% em 2017).

Os millennials e agora também a “geração Z” consideram que as empresas têm um papel mais amplo na sociedade e que o sucesso do negócio deve ser medido para além do desempenho financeiro. A maioria aponta como prioridades das empresas: a criação de emprego, a inovação, a melhoria das condições de vida e das carreiras dos colaboradores e a criação de um impacto positivo na sociedade e no meio ambiente.

A falta de confiança revela-se igualmente no vínculo que os millennials mantêm com a entidade patronal. Segundo o estudo, 43% dos inquiridos tenciona deixar o seu local de trabalho dentro de dois anos (face 38% em 2017), sendo apenas 28% os que esperam ficar mais de cinco anos (face 31% em 2017).

No grupo dos que tencionam abandonar o trabalho atual dentro de dois anos, 62% considera a “gig economy” como alternativa ao emprego a tempo inteiro. A lealdade é ainda menor entre os inquiridos da “geração Z”, com 61% a revelar a intenção de dar esse passo.

Do ponto de vista das empresas, a remuneração e a cultura são os fatores que mais atraem estas gerações, no entanto, estas devem focar-se na diversidade, inclusão e flexibilidade, que podem ser a chave para a sua retenção. Os inquiridos que trabalham em empresas com equipas de trabalho diversificadas e geridas por seniores têm uma maior propensão para ficar cinco ou mais anos na mesma empresa. Entre estes, 55% afirma que agora o seu local de trabalho é mais flexível do que há três anos.

O estudo envolveu 10.455 millennials, de 36 países, e 1.850 jovens da “geração Z” de seis países. Dá-se o nome de millennial aos nascidos entre janeiro de 1983 e dezembro de 1994. Já a geração Z abrange todos os nascidos entre janeiro de 1995 e dezembro de 1999.

Ler mais
Relacionadas

Empresas recrutam nas universidades e redes sociais

A edição deste ano do do Barómetro Kaizen revela que universidades e redes sociais são já as principais fontes de recrutamento de profissionais da geração centennial.

Carga fiscal: quando aumentar salários e dar prémios não chega

Um número crescente de empresas tenta contornar a subida da carga fiscal e compensa os trabalhadores com benefícios em espécie e serviços prestados no local de trabalho.
Recomendadas

Ageas Portugal adquire o edifício Expo Tower no Parque das Nações

A assessoria da Ageas ficou a cargo da Cushman & Wakefield na análise comercial, da Vieira de Almeida na componente jurídica e negociação e pela KPMG como consultor financeiro e fiscal.  Os Fundos geridos pela Anchorage Capital Group foram assessorados pela CBRE, pela Morais Leitão, pela Ernst & Young e NPN – Neves, Pinheiro, Neves & Associados.

PremiumAbreu, Miranda e VdA assessoram projeto de GNL em Moçambique

O trio de escritórios esteve envolvido no processo de financiamento ao projeto de gás natural liquefeito, com firmas das suas redes em África.

Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados lança campanha de sensibilização para a importância da profissão

A iniciativa entra agora numa nova fase que permite que os advogados comuniquem as situações onde, durante o exercício do mandato conferido pelos seus clientes, os seus direitos e dignidade foram alvo de ataques ao livre exercício da sua atividade.
Comentários