Milton de Sousa vai liderar a Universidade Europeia no triénio 2020-2023

O novo reitor é doutorado em Gestão e dirigiu os MBA da Erasmus University, dos Países Baixos, onde viveu 14 anos. Era professor associado na Nova SBE.

Milton de Sousa vai liderar a Universidade Europeia no triénio 2020-2023. O novo reitor era professor associado na Nova SBE, onde exerceu o cargo de subdiretor para as relações institucionais e desenvolvimento internacional e de diretor académico do Mestrado Internacional da rede CEMS.

Doutorado em Gestão pela RSM, Erasmus University, dos Países Baixos, onde também foi diretor dos MBA, é detentor de um MBA pela Universidade de Bradford, do Reino Unido e de uma licenciatura em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Os seus interesses de investigação incluem a relação entre as empresas e a sociedade, liderança e inovação sustentável.

É professor convidado em várias universidades de topo, com destaque para a de Keio, no Japão, Chulalongkorn, Tailândia, Erasmus Roterdão, Países Baixos, Tilburg, Países Baixos, e Universidade Americana no Cairo, Egipto. Trabalhou em posições de investigação e gestão na indústria dos semicondutores, tendo também sido consultor de estratégia e inovação. Ao nível empresarial, fundou várias empresas e iniciativas na área da educação e formação. Viveu e trabalhou no Reino dos Países Baixos durante 14 anos.

Milton de Sousa sucede a Pedro Barbas Homem, que tinha iniciado funções em 2017 e, findo o seu mandato de três anos, regressa à docência, à investigação e ao exercício do Direito.

O novo reitor tem como meta “consolidar o processo de crescimento” da Europeia. Nos próximos três anos, a Universidade “pretende reforçar a aposta na inovação, ao nível dos modelos e programas de ensino para capacitar os alunos para um mercado de trabalho global e dinâmico e, alargar o alcance internacional da instituição através do envolvimento em redes de colaboração no ensino e investigação”. Estreitar as relações entre a Universidade Europeia, a sociedade e o tecido empresarial, de forma a atuar como um agente de mudança para um desenvolvimento mais sustentável e responsável é outra das metas de Milton de Sousa.

O ensino superior, por todo o mundo, está a passar por uma profunda mudança e só as instituições mais ágeis e abertas ao exterior conseguirão crescer, afirma.

Explica: “a Universidade Europeia tem condições únicas para se tornar um exemplo de inovação em Portugal e é com enorme orgulho e humildade pela confiança depositada que abraço este projeto. O caminho será seguramente difícil e vai exigir uma enorme dedicação aos nossos alunos que nos escolhem para construir o seu futuro. Temos também que nos centrar no que conseguimos fazer bem, tanto no ensino como na investigação, para sermos acima de tudo relevantes. Espero conseguir ajudar todos os colaboradores e professores da Europeia a concretizar esta missão”.

 

Ler mais
Recomendadas

Antiga vice-presidente do Politécnico de Lisboa dirige Erasmus+ em Portugal

Ana Perdigão é especialista em Direito Europeu e, enquanto responsável do Politécnico, teve a seu cargo as áreas da internacionalização, académica e da qualidade e acreditação.

Notas dos exames secundário baixam na segunda fase. Economia A é exceção

Segundo os dados divulgados esta quarta-feira, pelo Ministério da Educação, em quatro disciplinas a média foi negativa, com destaque para Matemática B e Matemática Aplicada às Ciências Sociais, uma vez que em Português Língua Segunda e Latim, o número de alunos foi residual.

Catarina Martins quer ouvir ministro da Educação no Parlamento sobre cortes no ensino artístico

A coordenadora do Bloco de Esquerda visitou esta quarta-feira, 16 de setembro, a Sociedade Artística Musical dos Pousos, em Leiria, onde denunciou, os cortes de financiamento que estão a afetar muitas instituições de de ensino articulado e a lesar os alunos.
Comentários