Ministério da Educação autoriza contratação de 900 técnicos especializados pelas escolas

Segundo informação da tutela, a maioria dos técnicos a contratar são psicólogos educacionais e sociais, mas também há mediadores sociais, assistentes sociais, terapeutas da fala e técnicos, entre outros.

O Ministério da Educação anunciou esta quarta-feira a aprovação ou 664 candidaturas de Planos de Desenvolvimento Pessoal, Social e Comunitário, viabilizando a contratação pelas escolas de 900 técnicos especializados destinados a apoiar estas iniciativas.

“Desta multiplicidade de medidas, resulta a atribuição às escolas da capacidade de contratação de técnicos de áreas de especialidade diferentes: psicólogos educacionais e sociais, que representam a maioria das propostas apresentadas, mediadores sociais, assistentes sociais, terapeutas da fala, educadores sociais, mediadores, artistas residentes, técnicos de informática, terapeutas ocupacionais ou animadores socioculturais”, justifica o Ministério liderado por Tiago Brandão Rodrigues.

Os planos enquadram-se nas medidas de apoio ao acompanhamento dos alunos no regresso às aulas presenciais, visando, segundo a tutela “o acolhimento dos alunos, o reforço das suas aprendizagens, a dinamização de atividades promotoras de bem-estar psicológico, o fomento de competências sociais e a interação com a comunidade”.

Na lista das 664 medidas aprovadas constam projetos de intervenção comunitária, outros que visam a erradicação do bullying, outros ainda a promoção de competências socioemocionais, desenvolvimento de confiança e gosto pela escola através da arte, entre outros.

Recorde-se que no dia 30 de julho, na Comissão de Educação, Ciência, Juventude e Desporto da Assembleia da República, Tiago Brandão Rodrigues anunciou um investimento de 125 milhões de euros, destinados a “reforçar as escolas de docentes e não docentes e técnicos superiores, como psicólogos e assistentes sociais”.

Recomendadas

Ministro da Educação garante que ensino presencial se vai manter

“Podemos ser confrontados com uma necessidade de podermos ter de transitar, no espaço de tempo mais curto possível e no espaço territorial menos alargado possível, a termos ensino misto ou à distância”, admitiu Tiago Brandão Rodrigues.

“Prioridade do Governo é manter a escola presencial”, garante ministro da Educação

“Podemos ser confrontados com uma necessidade de podermos ter de transitar, no espaço de tempo mais curto possível e no espaço territorial menos alargado possível, a termos ensino misto ou à distância”, admitiu o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, durante o debate na especialidade da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

FENPROF protesta esta quinta-feira contra OE2021 “restritivo” e “sem soluções sólidas” para educação

Professores e educadores concentram-se esta quinta-feira, 29 de outubro, em frente ao Parlamento em protesto pelo que dizem ser um recuo no financiamento do setor da educação, do ensino superior e da ciência.
Comentários