Ministério Público e PJ confirmam detenção de mais um arguido no caso Tancos

Em causa estão factos suscetíveis de integrarem crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico de armas, terrorismo internacional e tráfico de estupefacientes.

O Ministério Público e Polícia Judiciária (PJ) anunciaram esta sexta-feira a detenção de mais um arguido no âmbito do caso Tancos. Em causa estão factos suscetíveis de integrarem crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico de armas, terrorismo internacional e tráfico de estupefacientes.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) e esta força policial explicam, num comunicado conjunto, que as diligências desencadeadas na passada quarta-feira levaram a esta detenção. “O detido foi presente ao Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa para aplicação das medidas de coação, tendo sido decretada a prisão preventiva. O inquérito encontra-se em segredo de justiça”, explica a PGR e a PJ, na mesma nota, enviada esta manhã.

As autoridades estão a investigar o furto de material de guerra que ocorreu entre a noite de 27 junho de 2017 e a madrugada do dia seguinte, nos paióis de Tancos, em Santarém. Na lista do arsenal roubado encontravam-se quase 1.500 munições de nove milímetros, mais de 100 granadas de mão de diversas valências, 44 granadas-foguete antitanque de 66 mm e vários explosivos de elevada potência. O inquérito corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) – que desde ontem conta com Albano Morais Pinto como novo diretor – e o Ministério Público é coadjuvado pela Unidade Nacional Contra Terrorismo (UNCT) da PJ.

A “Operação Húbris” começou no passado mês de setembro com buscas e detenções entre a hierarquia da Polícia Judiciária Militar (PJM) — incluindo o então diretor da PJM, coronel Luís Vieira. Na altura, foram ainda detidos elementos da Guarda Nacional Republicana, que teriam colaborado na encenação. Ainda em meados de dezembro, uma megaoperação da PJ no centro do país resultou na detenção de oito suspeitos do assalto a Tancos, mais tarde confirmada pelo Ministério Público. Os detidos (nenhum militar) eram suspeitos de crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico armas.

Na terça-feira, a comissão parlamentar de inquérito ao furto de material militar em Tancos começou os trabalhos com uma visita aos paióis Nacionais de Tancos e ao Campo Militar de Santa Margarida, para onde foi transferida parte do material após o roubo.  A comissão, que se reúne duas vezes por semana, deve ouvir, até maio, 63 pessoas e entidades, incluindo o primeiro-ministro, António Costa, que deverá responder, por escrito, às questões dos deputados. O objetivo é “identificar e avaliar os factos, os atos e as omissões” do Governo “relacionados direta ou indiretamente com o furto de armas em Tancos”.

Notícia atualizada às 09h03

Ler mais
Relacionadas

Comissão de Inquérito ao roubo de Tancos inicia trabalhos com visita aos paióis

A visita marca o arranque os trabalhos da comissão, que deverá ouvir ainda esta semana os coronéis de infantaria Manuel Vieira Esperança e Francisco Ferreira Duarte.

Tancos: Militar do exército chamado a prestar declarações

A Polícia Judiciária deteve hoje oito pessoas e realizou dezenas de buscas na zona Centro e Sul do país no âmbito do caso Tancos, por suspeitas de crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico armas.
Recomendadas

Michel Platini detido em França por suspeitas de corrupção relacionada com escolha do Mundial de 2022

O antigo presidente da UEFA é suspeito de ter favorecido a candidatura do Qatar para organizar o Mundial 2022.

Lava Jato: Juíz do Supremo brasileiro pede prisão de alegados hackers

O juiz do Supremo Tribunal Federal brasileiro (STF) Alexandre de Moraes pediu na segunda-feira a prisão dos ‘hackers’ que, no seu entender, invadiram telemóveis de magistrados e procuradres envolvidos na Operação Lava Jato, avança a imprensa local brasileira

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]
Comentários