Ministério Público instaurou ação administrativa contra a CML por causa do ‘Mono do Rato’

O Ministério Público instaurou uma ação administrativa no Tribunal Administrativo de Lisboa contra a Câmara Municipal de Lisboa (CML) por causa do chamado ‘Mono do Rato’.

A notícia foi avançada no Twitter pela vereadora do PSD, Sofia Vala Rocha. O Ministério Público instaurou uma ação administrativa no Tribunal Administrativo de Lisboa contra a Câmara Municipal de Lisboa (CML) por causa do chamado ‘Mono do Rato’.

Numa carta enviada à Presidente da Assembleia Municipal da CML, sobre o “Hotel do Rato”, é dito que o Ministério Público instaurou a ação contra o Município de Lisboa e “sendo contra-interessada uma sociedade comercial”. Esta ação visa “a impugnação de atos administrativos em matéria urbanística, bem como a prática de ato legalmente devido e abstenção e/ou adoção de comportamento, ação a que coube o nº 1006/18.9BELSB, sendo que a edilidade, devidamente citada e representada (artigos 5º, nº2 e 35º, nº1 alínea a) da lei 75/2013, de 12 de setembro, na redação da Lei 50/2018, de 16 de agosto apresentou douta contestação”.

“Toda a fundamentação de facto e de Direito referentes à ação do Ministério Público consta da petição e documentação apresentada”, diz a carta.

Em final de agosto era noticia o facto de o Ministério Público ter dito que a aprovação de um controverso edifício para o Largo do Rato estar ferida por um rol de irregularidades. O Ministério Público disse terem sido violados 11 artigos do Plano Director Municipal de Lisboa (PDM), vários do Regime Jurídico da Urbanização e Edificação, da Lei de Bases do Património Cultural e até da própria Constituição.

O edifício projectado pelos arquitectos Manuel Aires Mateus e Frederico Valsassina,  “acentuará de modo especialmente gravoso o enclausuramento da sinagoga, escondendo-a e afastando-a ainda mais da cidade e dos cidadãos”, argumentou o MP, que em maio pediu ao Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa a nulidade da licença de construção emitida pela Câmara de Lisboa.

 

Ler mais
Recomendadas

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.

Operação Lex: Juiz Vaz das Neves nega envolvimento na manipulação do sorteio de processos

O antigo presidente do TRL, a quem foram lançadas na comunicação social suspeitas de ter favorecido o juiz Rui Rangel na distribuição de um recurso, contrapõe que não atuou “com o objetivo doloso de gerar benefício para qualquer interessado nos processos referidos ou outros”, mas antes para “gerir situações que, pela sua natureza e ante a delicadeza do contexto em que ocorreram, exigiram” a sua intervenção.

Operação Lex: Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” viciação do sorteio de processos em tribunais

A Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” a possibilidade de viciação do sistema electrónico de distribuição de processos nos Tribunais portugueses e apela a que o Conselho Superior de Magistratura assegure que este tipo de práticas “não poderá repetir-se”, depois de notícias que dão conta de que o ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Vaz das Neves, foi constituído arguido no processo Operação Lex, por aquele tipo de suspeitas de viciação.
Comentários