Ministra da Agricultura defende aposta na inovação e na criação de valor no setor

Maria do Céu Antunes visitou as instalações, uma das mais importantes cooperativas do setor leiteiro nacional, cuja produção anual equivale a cerca de 708 milhões de euros, cerca de 9% da produção agrícola do país.

A ministra da Agricultura defende que “devemos apostar na inovação e na criação de valor no setor agrícola e na agroindústria”.

As declarações foram proferidas por Maria do Céu Antunes durante uma visita às instalações da Proleite, em Oliveira de Azeméis, que decorreu ontem, dia 5 de agosto.

Durante a visita a esta cooperativa com mais de 50 anos de atividade, que incluiu também uma ida à unidade fabril de produção de compostos para a alimentação animal, ao laboratório técnico e à central fotovoltaica da Proleite, os dirigentes e os produtores de leite presentes apresentaram diversas soluções inovadoras desenvolvidas para a promoção e valorização dos produtos lácteos e as suas preocupações decorrentes dos efeitos socioeconómicos da pandemia Covid-19.

Segundo um comunicado do Ministério da Agricultura, a titular da pasta referiu a importância deste setor para o conjunto da economia e para as exportações portuguesas. “No leite e na manteiga, registamos soberania alimentar e produzimos mais do que aquilo que consumimos, mas, no caso dos iogurtes e dos queijos, não somos autossuficientes. Por isso, reforço, mais uma vez: devemos apostar na inovação e na criação de valor no setor agrícola e na agroindústria”, defedneu a governante.

Ainda neste contexto, Maria do Céu Antunes sublinhou que o Ministério da Agricultura está ao lado do setor para que, “em diálogo, sejam traçadas políticas públicas e respostas eficazes que sejam capazes de acrescentar qualidade de vida aos nossos territórios, esbatendo desigualdades e valorizando os quadros cada vez mais qualificados e inovadores”.

A ministra afirmou que “os desafios são grandes, nomeadamente no desenvolvimento de uma agricultura que se quer cada vez mais verde, para estarmos alinhados com os vários instrumentos e políticas a nível nacional, a nível europeu e a nível mundial, sem comprometer a competitividade do setor e a resposta aos desafios societais que são colocados, designadamente com a alteração dos padrões de consumo”.

Maria do Céu Antunes salientou ainda a relevância destes momentos de auscultação, designadamente no atual contexto: “Estamos aqui para ouvir o setor, para dialogar e debater com o setor, nomeadamente porque estamos, neste momento, a desenvolver aquilo que serão as linhas orientadoras da Política Agrícola Comum para o próximo ciclo de investimentos”.

Recorde-se que a produção de leite em Portugal tem um valor de 708 milhões de euros, o que representa cerca de 9% da produção agrícola.

“O volume de produção tem-se mantido estável nos últimos dez anos e mostrou grande resiliência e capacidade de adaptação durante esta pandemia”, destaca o Ministério da Agricultura.

Ler mais
Recomendadas

Uma barragem no Tejo e agricultura no mar. Conheça as ideias do presidente da CAP para garantir o futuro do setor em Portugal

“Temos aqui uma nova necessidade de olhar para uma outra reserva de água, estratégica, que poderá salvaguardar-nos o futuro de uma região vastíssima de Portugal, que é uma barragem na bacia do rio Tejo, que pode beneficiar Lisboa, inclusivamente em termos de assegurar o seu abastecimento de água, e que pode ser uma barreira à invasão de água salgada, que está a subir pelo Tejo, e a perigar os terrenos”, defende Eduardo Oliveira e Sousa.

Presidente da CAP critica Governo pela decisão de aumentar salário mínimo nacional

Eduardo Oliveira e Sousa acusa o ministro das Finanças, João Leão, de ter anunciado a medida sem ter negociado com os parceiros sociais e alerta para a erosão de emprego e para o aumento de falências de empresas do setor que esta medida pode implicar.

Ação climática reúne seis ministros e 16 especialistas no Porto

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, preside à conferência e à primeira mesa redonda sobre a ação climática na recuperação económica, onde vão participar ainda António Costa Silva, Sofia Santos, Francisco Ferreira e Teresa Sá Marques.
Comentários