Ministra da Agricultura: modernização do aproveitamento hidroagrícola de Sabariz-Cabanelas contribui para “uma agricultura mais sustentável”

A captação para a Estação Elevatória de Cabanelas, que alimentará a rede de rega actualmente em construção, será feita no rio Cávado, aproveitando o plano de água criado por um açude, já existente.

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, participou no dia 13 de Dezembro, na cerimónia de Consignação da Empreitada de Construção da Estação Elevatória de Cabanelas. Segundo o membro do Governo, o projecto de Modernização do Aproveitamento Hidroagrícola de Sabariz-Cabanelas, inserido no Programa Nacional de Regadios (PNR), “é mais um passo no reforço de uma agricultura ainda mais sustentável, ainda mais competitiva e ainda mais inovadora”.

Maria do Céu Albuquerque afirmou que “o regadio é uma ferramenta crucial no reforço do carácter sustentável, eficiente e produtivo da nossa agricultura, nomeadamente num contexto marcado pelos efeitos das alterações climáticas, bem visíveis já no presente e cuja dimensão futura pode ser difícil de imaginar se nada for feito”.

Pode continuar a ler o artigo aqui.

Recomendadas

Governo e associação do setor promovem conservas nacionais

Iniciativa promocional ‘Conservas de Portugal – Vamos conservar o que é nosso’ pretende dinamizar as vendas de um setor que representa uma produção anual de 62 mil toneladas, equivalente a 332 milhões de euros, dos quais cerca de 70%, cerca de 226 milhões de euros, são destinados às exportações

“O Nosso Bacalhau”. Indústria pede a supermercados e restaurantes para promoverem produto nacional

A indústria transformadora, que representa anualmente mais de 400 milhões de euros, diz que a interrupção das exportações provocou consequências graves na atividade, sendo consequência direta a entrada em regime de layoff de cerca de 40% deste universo.

Ministra da Agricultura admite antecipar pagamento de algumas ajudas diretas aos agricultores

Maria do Céu Albuquerque revelou, à Antena1 e ao JNegócios, que o Governo continua a insistir junto de Bruxelas para que essa antecipação seja de 85% quer para as ajudas quer para o desenvolvimento regional.
Comentários