Ministra da Saúde defende que é necessário reorganizar maternidades

“Nesta época, procurámos garantir que as faltas [de profissionais] são supridas com recurso a prestação de serviço”, disse Marta Temido.

A ministra da Saúde, Marta Temido, defende uma reorganização das maternidades do país, sobretudo na zona sul, reconhecendo dificuldades sobretudo nos períodos de férias.

Marta Temido assumiu que há dificuldades nos serviços de obstetrícia sobretudo em Lisboa e Vale do Tejo e na restante zona sul do país, sobretudo decorrentes de períodos de férias de profissionais, no verão e na altura do Natal.

“Nesta época, procurámos garantir que as faltas [de profissionais] são supridas com recurso a prestação de serviço”, indicou aos jornalistas à margem de uma inauguração em Lisboa, afirmando que foram autorizadas prestações de serviços médicos que vão além dos valores de referência estabelecidos em termos de pagamento a médicos prestadores de serviço.

Contudo, Marta Temido reconheceu que os problemas não podem ser resolvidos “apenas por essa via”.

“Estamos a estudar alternativas”, afirmou, indicando que está a ser concluída a revisão da rede de saúde materna e obstétrica.

Depois dessa revisão, o Governo pretende ter uma “intervenção mais objetiva na reorganização da oferta e redistribuição dos recursos humanos das zonas mais críticas”.

“As dificuldades existem, mas não as podemos ultrapassar sem medidas de raiz”, acrescentou, mas sem adiantar que tipo de reorganização pretende nas maternidades.

Além de “garantir mais contratações de médicos”, Marta Temido apenas avança que é necessário “olhar para a malha da oferta” dos serviços de obstetrícia.

Contudo, a ministra recordou que o SNS funciona em rede e que sempre que é necessário as grávidas são transferidas para outros serviços de unidades públicas.

Médicos pedem escusa de responsabilidade por eventuais falhas nas maternidades

Ler mais
Recomendadas

CMEC: EDP recusa todas as acusações de favorecimento

A elétrica nacional refuta todos os pontos de eventual favorecimento de que é acusada e diz que tudo decorreu com uma transparência que a própria União Europeia confirmou.

“Vandalização”: Presidente do Instituto Superior Técnico critica mural do Bloco de Esquerda

Arlindo Oliveira criticou o mural realizado pelo partido de Catarina Martins nos muros do campus da Alameda em Lisboa. “Será que a vandalização de património público consta no programa do Bloco de Esquerda?”

Eleições: Rui Rio considera que 200 milhões para aumentos salariais “não chega para nada”

O presidente do PSD considerou esta sexta-feira que se o Governo só tem 200 milhões de euros para aumentar os funcionários públicos, estes estão “desgraçados” porque este dinheiro “não chega para nada” nos próximos quatro anos.
Comentários