Ministro britânico afirma que Huawei deverá reunir condições para desenvolvimento do 5G

“Tenho certeza de que o Conselho de Segurança Nacional analisará essas mesmas condições e tomará a decisão certa, para garantir que temos uma infraestrutura de telecomunicações muito forte, mas também segura”, disse este domingo Matt Hancock.

Huawei P8

A Huawei tem condições para que o Reino Unido continue a permitir o envolvimento da tecnológica chinesa no desenvolvimento de infraestrutura de telecomunicações 5G (quinta geração), refere a agência “Reuters”.

Depois de uma notícia que apontava para a exclusão da empresa do projeto, o ministro da Saúde britânico esclareceu este domingo que a recomendação inicial sempre foi provisória. Segundo o jornal “Sunday Telegraph”, as autoridades estariam a elaborar propostas para, em menos de seis meses, parar de instalar equipamentos da Huawei.

“O que posso dizer é que, quando lançamos um relatório interino sobre o assunto, no início do ano, há várias condições que precisam ser cumpridas. Tenho certeza de que o Conselho de Segurança Nacional analisará essas mesmas condições e tomará a decisão certa, para garantir que temos uma infraestrutura de telecomunicações muito forte, mas também segura”, afirmou Matt Hancock, citado pela agência noticiosa.

Já o primeiro-ministro britânico, que em janeiro deu ‘luz verde’ à Huawei para ter um papel limitado no desenvolvimento desta rede móvel no Reino Unido, enfrentou pressão por parte dos Estados Unidos e de alguns deputados britânicos para proibir a multinacional chinesa. Assim, na terça-feira, Boris Johnson endureceu a retórica sobre a marca e alertou que a China de que iria proteger essa infraestrutura de “fornecedores estatais hostis”.

Recomendadas

Assista agora à JE editors Talks: Energia Solar

Assista agora e conheça o potencial português na área da energia solar e saiba que importância esta terá no futuro do fornecimento de energia nacional.

Lucros do Grupo Crédito Agrícola caem 33% no primeiro semestre para 50 milhões de euros

As imparidades constituídas de 391 milhões de euros penalizaram o resultado líquido consolidado do Crédito Agrícola no primeiro semestre de 2020.

Regulador aprova alteração de marca da EDP Distribuição para E-REDES

Em comunicado, o regulador refere que a alteração da imagem e denominação da gestora das redes de distribuição de energia “será implementada de forma gradual, por forma a assegurar a neutralidade de custos para os consumidores de eletricidade”.
Comentários