Ministro critica greves na saúde “num país pobre e de gente velha e doente”

Adalberto Campos Fernandes acusou os sindicatos de usarem as greves para interesses pessoais e não pensarem no custos dos que mais precisam desses serviços.

O ministro da Saúde fez duras críticas aos profissionais de saúde e sindicatos do setor, acusando-os de fazerem greves focadas nos interesses sem pensar nos custos que acarretam num país de “gente pobre e doente”. Adalberto Campos Fernandes prometeu, no entanto, querer dialogar com os sindicatos.

“Estamos num momento em que a retórica e disputa do pequeno interesse, do pequeno poder, da reivindicação corporativa legítima, embora tão pouco sensata quando se faz da greve um instrumento de banalização”, disse o ministro, em declarações transmitidas pela SIC Notícias.

Adalberto Campos Fernandes criticou o decretar de greves por tempo indeterminado no setor da saúde “e quando se entende que a greve é algo que se pode usar à custa daqueles mais precisam apenas e só porque o nosso interesse pessoal tem de falar mais alto que o preço de país pobre e de gente pobre e de gente doente”.

Os médicos estarão em greve no próximo dia 24 de novembro e os técnicos de diagnóstico e terapêutica estão em paralisação por tempo indeterminado.

Relacionadas

“Quer uma saúde com ou sem médicos?”. Bastonário lança desafio a ministro da Saúde

O bastonário da Ordem dos Médicos avisou hoje o ministro da Saúde de que vai ter de escolher se quer uma saúde com médicos ou sem médicos, admitindo ainda abandonar o Conselho Nacional de Saúde (CNS).
Recomendadas

Práticas de mobilidade que potenciem a conciliação entre planos profissional, pessoal e familiar vão ser premiadas

Novo concurso do IMT será lançado amanhã e visa distinguir iniciativas que disponibilizem soluções de mobilidade de base local – dinamizadas por autarquias, associações, IPSS ou empresas – que permitam facilitar a conciliação entre a vida profissional, pessoal e familiar.

Ramalho Eanes avisa que partidos e sociedade “abrem portas à corrupção”

Segundo o conselheiro de Estado, primeiro Presidente da República eleito após o 25 de abril de 1974, essa é uma ameaça decorrente do fracasso da “capacidade de construção política e institucional da democracia”, o que “abre portas à demagogia e ao engano, à corrupção, ao justicialismo e ao populismo”.

Nós, Cidadãos! celebra quarto aniversário como “novo centro” que usa “braço direito” e “braço esquerdo”

Projeto de coligação Aliança de Cidadãos é o caminho apontado para iniciar “projeto de união dos partidos emergentes do centro político para desafiar 45 anos de alternância dos governos PSD-PS”.
Comentários