Ministro critica greves na saúde “num país pobre e de gente velha e doente”

Adalberto Campos Fernandes acusou os sindicatos de usarem as greves para interesses pessoais e não pensarem no custos dos que mais precisam desses serviços.

O ministro da Saúde fez duras críticas aos profissionais de saúde e sindicatos do setor, acusando-os de fazerem greves focadas nos interesses sem pensar nos custos que acarretam num país de “gente pobre e doente”. Adalberto Campos Fernandes prometeu, no entanto, querer dialogar com os sindicatos.

“Estamos num momento em que a retórica e disputa do pequeno interesse, do pequeno poder, da reivindicação corporativa legítima, embora tão pouco sensata quando se faz da greve um instrumento de banalização”, disse o ministro, em declarações transmitidas pela SIC Notícias.

Adalberto Campos Fernandes criticou o decretar de greves por tempo indeterminado no setor da saúde “e quando se entende que a greve é algo que se pode usar à custa daqueles mais precisam apenas e só porque o nosso interesse pessoal tem de falar mais alto que o preço de país pobre e de gente pobre e de gente doente”.

Os médicos estarão em greve no próximo dia 24 de novembro e os técnicos de diagnóstico e terapêutica estão em paralisação por tempo indeterminado.

Relacionadas

“Quer uma saúde com ou sem médicos?”. Bastonário lança desafio a ministro da Saúde

O bastonário da Ordem dos Médicos avisou hoje o ministro da Saúde de que vai ter de escolher se quer uma saúde com médicos ou sem médicos, admitindo ainda abandonar o Conselho Nacional de Saúde (CNS).
Recomendadas

Presidente da República deve publicar dissolução da Assembleia a 5 de dezembro

Marcelo Rebelo de Sousa deverá publicar a dissolução da Assembleia da República em 5 de dezembro, depois de dar algum tempo ao Governo de apresentar diplomas sobre o combate à pandemia.

Ferro Rodrigues despede-se da AR: “Maior honra da minha vida” foi ser presidente do Parlamento

A despedida do presidente do parlamento foi aplaudida de pé por todas as bancadas.

Rio e Rangel convergem em melhores salários e menos carga fiscal

Redução da carga é apontada por ambos os candidatos à liderança do PSD como instrumento para alavancar a competitividade da economia e permitir aumentos de salários.
Comentários