MK Premium investe 1,8 milhões em dois edíficios em Lisboa e no Porto

“O objetivo da MK Premium é investir entre 5 e 7 milhões de euros no final deste ano, tanto em Lisboa como no Porto,” afirma Daniel Leiva, sócio-fundador da MK Premium.

A empresa espanhola de gestão de ativos imobiliários MK Premium adquiriu dois edifícios residenciais localizados na áreas ‘prime’ de Lisboa e Porto, anunciou a empresa esta segunda-feira, 17 de setembro.

Os dois imóveis foram adquiridos por um valor total de mais de 1,8 milhões de euros.

Em Lisboa, a empresa adquiriu um grande edifício residencial com três pisos e composto por um total de nove casas, entre 52 e 99 metros quadrados, com uma extensão de 836 metros quadrados (mais 946 metros quadrados terreno comum) perto do Bairro Alto.

Na cidade do Porto, a MK Premium chegou a acordo para a compra de uma propriedade de 163,5 metros quadrados, composta por três casas e dividida em três andares, na Rua João das Regras.

“O objetivo da MK Premium é investir entre 5 e 7 milhões de euros no final deste ano, tanto em Lisboa como no Porto. Por enquanto, adquirimos quatro edificios que representaram um investimento económico de três milhões de euros”, refere Daniel Leiva, sócio-fundador da MK Premium. Em cinco meses, a empresa adquiriu já quatro imóveis.

Localizada em Barcelona, a MK Premium pretende adquirir 80 ativos até ao final do ano e um investimento de cerca de 25 milhões de euros, entre as suas quatro localizações em Barcelona, ​​Madrid, Lisboa e Porto.

 

Ler mais
Recomendadas

VIC Properties compra terrenos da Matinha para construir mais de duas mil habitações

Com uma área de aproximadamente 20 hectares, num total de 260 mil metros quadrados previstos de área de construção, a empresa prevê que as obras sejam iniciadas no início de 2020, e os trabalhos realizados ao longo dos anos seguintes.

Estas são as três zonas de melhor investimento no alojamento local em Lisboa

São Sebastião da Pedreira, São José e Santa Justa revelaram o melhor potencial de investimento numa análise da Hostmaker. Em sentido oposto, as zonas de Belém e São Miguel dos Olivais foram consideradas as menos atrativas devido à reduzida ocupação anual e aos preços por noite praticados.

Ocupação do mercado de escritórios em Lisboa aumentou 64% em maio

Em termos homólogos o crescimento foi de 11%, registando um total de 19 operações e uma área média de 940 metros quadrados. A nível trimestral verificaram-se 74 operações e uma área média de 953 metros quadrados.
Comentários