Mobilidade inteligente: os veículos elétricos como soluções de armazenamento móvel de energia

Em plena quarta revolução industrial, onde tecnologia e conveniência caminham lado a lado, a mobilidade inteligente é mais do que uma comodidade, é uma necessidade.

Em plena quarta revolução industrial, onde tecnologia e conveniência caminham lado a lado, a mobilidade inteligente é mais do que uma comodidade, é uma necessidade.

Apesar de, atualmente, menos de 0,5% do total de veículos de estrada serem elétricos, o crescente aumento do volume de vendas nos últimos anos (de alguns milhares em 2010 para 2 milhões em 2018) é uma forte indicação do potencial desta área, para o qual têm contribuído países como a China, maior mercado mundial, ou a Noruega, país com maior penetração em todo o mundo (cerca de 46% de quota de mercado de novos carros vendidos, em 2018).

E parece não parar por aqui. Segundo a BloombergNEF, é expectável que até 2040 cerca de 57% das vendas de novos veículos e 30% dos veículos de passageiros em estrada sejam elétricos. Uma tendência possivelmente impulsionada pela crescente pressão para a descarbonização e pela redução do custo das baterias (em 2023 prevê-se que o custo das baterias seja um décimo do valor de 2010). De acordo com um estudo da EY, calcula-se que os veículos elétricos alcancem a paridade de preço e desempenho dos veículos a motor de combustão, em grande parte do mundo, entre 2025 e 2030.

O próximo passo da mobilidade elétrica passará por explorar o enorme potencial que estes veículos têm enquanto soluções de armazenamento móvel de energia e possíveis geradores de valor económico adicional aos seus proprietários. Esta é a visão por trás do conceito V2G (vehicle-to-grid), uma tecnologia que possibilita o fluxo bidirecional de energia através de carregadores inteligentes, em função das necessidades do utilizador e da oferta de eletricidade. O carregamento poderá ser efetuado quando a oferta de eletricidade é superior à procura, enquanto na situação oposta o veículo poderá fornecer energia à rede. As baterias dos veículos funcionam, assim, como armazenamento temporário de energia, promovendo o desenvolvimento de energias renováveis e a estabilização da rede elétrica. Neste contexto, o dono do veículo passa a ter um ativo, podendo usufruir de tarifas de eletricidade inferiores e ser remunerado pelo fornecimento de energia.

A nível mundial já estão a ser desenvolvidos alguns projetos piloto de integração deste tipo de tecnologia, de entre os quais destacamos o projeto Porto Santo Sustentável – Smart Fossil Free Island, na Madeira. Um projeto ambicioso que pretende tornar a ilha mais sustentável através da promoção de energias renováveis e do uso dos veículos elétricos para a estabilização da rede (objetivo de 80% de energias renováveis), juntando soluções como os veículos elétricos Renault, o carregamento inteligente, a segunda vida das baterias e a tecnologia V2G.

A integração em escala de soluções de armazenamento no ecossistema de energia representa um ponto de inflexão crítico na transição para uma economia neutra em carbono, aproximando a produção do consumo de energias renováveis. Um cenário onde os veículos elétricos são importantes potenciadores da economia circular e ativos para a construção de um mundo energeticamente mais sustentável.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Process Mining nos serviços financeiros, rumo à eficiência operacional

Os efeitos negativos da atual pandemia começam a fazer-se sentir nos resultados das instituições financeiras, trazendo novos desafios e novas prioridades.

Poderá o desinvestimento ser um fator de crescimento no ambiente pós-crise?

A economia mundial enfrenta um período de incerteza económica e social motivada por uma crise com contornos diferentes da crise financeira de 2008-2010.

A estratégia de dados e a pressão para tomar decisões

Muito se tem dito e escrito sobre a eficácia das medidas adotadas por cada um dos países na resposta à pandemia COVID-19.
Comentários