Montante de crédito caiu 5,9% em novembro para 503 milhões

O crédito automóvel registou a maior queda, tanto a nível de número de pedidos de crédito como de montante pedido. Os dados do BdP revelam um recuo de 16,7% nos pedidos de crédito automóvel para 13.717 contratos. O montante destes créditos caiu 15,6% em relação ao mês anterior, para cerca de 200 milhões de euros.

No total, os portugueses recorreram a créditos num valor superior a 503 milhões de euros, um recuo de 5,9% face aos mais de 534 milhões de euros pedidos em outubro de 2020. Num ano, face a novembro do ano anterior, caiu 23,5%.

A maior quebra mensal e anual foi no crédito pessoal para educação, saúde, energias renováveis e locação financeira de equipamentos. O valor do crédito para esta finalidade caiu 18,6% face a outubro e 23,0% face ao ano anterior.

Já o montante de crédito ao consumo sem finalidade específica subiu 1,4% para 198,970 milhões de euros. Valor que é 34,6% inferior ao montante concedido um ano antes.

O montante do crédito pessoal subiu 0,4%, para um total de 207 milhões de euros em novembro. Já os cartões e descoberto subiram 4,8% para os 95,5 milhões de euros no mesmo mês. No entanto face ao mês homólogo de 2019 o valor de crédito concedido por esta via caiu 8,6%.

O crédito automóvel registou a maior queda, tanto a nível de pedidos de crédito para este fim como de montante pedido. Os dados do BdP revelam um recuo de 16,7% nos pedidos de crédito automóvel, face aos novos créditos pedidos em outubro, para 13.717 contratos. O montante destes créditos caiu 15,6% em relação ao mês anterior, para cerca de 200 milhões de euros.

Especificando por tipologia de crédito automóvel, a locação financeira de carros novos tombou 16% em novembro para 19,453 milhões de euros e face a novembro de 2019 a queda foi de -23,6%. O ALD de carros usados também caiu -3,9% face a outubro para oito milhões de euros, o que traduz uma queda de 12,6% face ao mês homólogo do ano anterior.

A maior quebra na variação mensal registou-se no crédito para a compra de carros usados “com reserva de propriedade e outros”, onde o montante de crédito caiu 17,3% em novembro, para um valor de 128,4 milhões de euros. Em número de contratos esta também foi a tipologia que mais caiu num mês, ao recuar 17,2% para 9.893 contratos de crédito.

Os novos pedidos de crédito subiram 3,5% em novembro para 117.814 contratos, mas caíram 22,4% num ano. Em número de contratos, o crédito pessoal cresceu 3,9% para 33.936 contratos; o crédito automóvel caiu 16,7% para 13.717 contratos; e os cartões e descobertos bancários subiram 8,4% para 70.161 novos contratos. Num ano os cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto caíram 20,1%.

Os pedidos de crédito ao consumo sem finalidade específica subiram 4,6% em novembro face a outubro para 32.107 contratos, mas caíram 28,3% face a novembro de 2019

 

Ler mais
Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

PremiumBloco de Esquerda questiona Novo Banco no Eurobic

Bloquistas perguntam ao Ministério das Finanças sobre a operação e o seu impacto.

Leia aqui a primeira edição do Quem é quem no sector financeiro em Portugal em 2021

A primeira edição do Quem é Quem no Sector Financeiro em Portugal do JE inclui entrevista ao presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Fernando Faria de Oliveira, e as análises de Paulo Macedo, presidente da CGD, de Miguel Maya, presidente do BCP, de António Ramalho, presidente do Novo Banco, de Pedro Castro Almeida, presidente do Santander Totta, de João Pedro Oliveira e Costa, presidente do BPI, de Pedro Leitão, presidente do Montepio, Alberto Ramos, presidente do Bankinter Portugal e de Pedro Pimenta do Abanca Portugal.
Comentários