Montenegro convencido de que vai ganhar liderança do PSD à primeira volta

O candidato à liderança do PSD Luís Montenegro afirmou hoje que está convencido de que vai ganhar as eleições no partido “à primeira volta”, com base nas manifestações que tem recebido.

“Com todas estas manifestações de apoio, estou convencido de que nós temos todas as condições para ganhar com expressão esta eleição e ganhar à primeira volta, e é com esse objetivo que eu vou lutar até ao último segundo por cada voto de cada militante”, afirmou.

Montenegro falava à entrada para uma reunião com militantes em Bragança, o distrito que deu a maior votação ao PSD nas mais recentes eleições legislativas, sublinhando que está a percorrer o país de uma ponta à outra e que está satisfeito com a “mobilização muito forte nesta candidatura”.

O candidato a presidente do PSD comentou as notícias que dão conta da recondução de Mário Centeno à frente do Eurogrupo, considerando que “é bom quando Portugal tem cargos de responsabilidade a nível europeu e mesmo a nível mundial, embora isso traga normalmente mais complicações ao próprio Mário Centeno”.

“Porque ele tem uma versão portuguesa e tem uma versão europeia. Na versão europeia critica as políticas e a situação financeira do país, na versão portuguesa diz que isto é um mar de rosas, portanto, apesar dessa dificuldade, essa dificuldade é mais dele do que nossa”, declarou.

Luis Montenegro falava ao lado do presidente da Câmara de Bragança, Hernâni Dias, mandatário distrital da candidatura e um defensor da regionalização, que ouviu o candidato afirmar que “neste momento não é oportuno discutir a regionalização”.

Montenegro concretizou que Portugal tem em curso “um processo de descentralização de transferência de competências da administração central para a administração local e intermunicipal e, enquanto esse modelo não estiver concretizado, não estiver em funcionamento”, não existem “condições de avaliar se devem ou não instituir-se as regiões administrativas”.

“Até porque eu vejo pessoas a falar disso, mas não vejo ninguém a dizer quais são as competências que quer carrear para essas regiões. O que é que se quer fazer agora? Transferir-se as competências da administração central para a administração local e ir buscar outra vez à administração local para um patamar intermédio?”, questionou.

Com raízes em Bragança, Luís Montenegro afirmou-se defensor da coesão territorial e lembrou que as primeiras jornadas parlamentares que fez no ano de 2011 se realizaram no Fundão e tinham como motivo principal esse tema.

Como líder parlamentar, indicou, foi o primeiro proponente de um projeto-lei que visava criar o estatuto dos territórios de baixa densidade com medidas discriminatórias do ponto de vista fiscal, defendendo a necessidade de todas as decisões tomadas a nível nacional terem um especial enfoque nestes territórios.

“E continuo a achar que é por aí que nós devemos ir: criar condições para atrair investimento, capacidade de gerar mais oportunidades de emprego porque se não houver emprego de nada vale que as escolas sejam boas, que haja bons equipamentos desportivos, culturais, porque as pessoas não ficam”, sustentou.

Montenegro respondeu ainda a perguntas sobre a comunicação social e defendeu que as plataformas digitais que ganham dinheiro com a comunicação têm de contribuir mais do que contribuem para a sustentabilidade do setor.

“É preciso olhar para estas empresas que não têm um único jornalista – a Google ou o Facebook não têm um único jornalista, mas faturam mais dinheiro do que qualquer um dos órgãos de comunicação que produzem as notícias”, apontou.

Rui Rio (atual presidente social-democrata) e Miguel Pinto Luz são os outros dois candidatos à liderança do PSD, nas eleições de 11 de janeiro.

Ler mais
Relacionadas

Rio diz que vitória nas autárquicas é uma das “três tarefas fundamentais” do PSD em 2020

O presidente do PSD, Rui Rio, apontou na sexta-feira à noite a vitória nas autárquicas de 2021 como uma das três tarefas fundamentais que o partido tem pela frente, além de se “abrir à sociedade” e “fazer oposição ao Governo do PS”.

Rio diz ser preocupante “notória desvalorização” que PS faz do ministro das Finanças

O líder do PSD, Rui Rio, disse na sexta-feira à noite em Monção ser preocupante a “notória desvalorização” que o Governo do PS tem feito do ministro da Finanças, apontando como exemplo as novas regras de contratação nas PPP.

Montenegro acusa António Costa de ser o primeiro-ministro “do empata”

No Porto, no primeiro comício do ex-líder parlamentar do PSD, Montenegro voltou a dizer que o partido “não se pode conformar” com o facto de ser minoritário, acusando ainda Rio de ter visto na “maior derrota de sempre” do partido “quase uma vitória”.
Recomendadas

Augusto Santos Silva: “Portugal é favorável a novos recursos próprios da UE” para pagar possível empréstimo

O ministro dos Negócios Estrangeiros lembrou que “aqueles que dizem que não aceitam novos recursos europeus, o que estão a dizer é que prefeririam que fossem os contribuintes nacionais a pagar”.
André Ventura no Infarmed

Chega quer reuniões no Infarmed pelo menos até ao fim do ano com especialistas aprovados pelo Parlamento

Projeto de resolução apresentado por André Ventura recomenda ao Governo manutenção de reuniões regulares no Infarmed, tendo os partidos políticos como interlocutores cinco especialistas com “objetividade, independência e mérito científico” para acompanhar evolução da pandemia.

Manifesto considera que investimento do Governo em hidrogénio é “aventura” em que o país não pode embarcar

O grupo composto por mais de 30 especialistas considera que não existe uma “racionalidade económica” para realizar um investimento na produção de hidrogénio. “O país não pode mais uma vez embarcar numa aventura como a Estratégia do Hidrogénio, que absorverá uma parte significativa dos recursos”, apelam.
Comentários