PremiumMontepio vai lançar banco BEM para reforçar aposta nas PME

Carlos Tavares já tem nome e projeto para o banco de investimento da Caixa Económica. O Montepio Investimento vai passar a BEM – Banco de Empresas Montepio e será estruturado em três áreas.

A Caixa Económica e futuro Banco Montepio vai ter um banco de investimento que se chamará BEM – Banco de Empresas Montepio. Trata-se de um banco de investimento específico para pequenas e médias empresas, com volume de negócios entre 20 e 50 milhões de euros. Carlos Tavares pretende criar um banco que pretende ajudar as empresas a chegar onde chegam as grandes e vai reconverter o actual Montepio Investimento nesse Banco de Empresas Montepio.

“Está a nascer um projeto original na banca de empresas, em Portugal”, diz fonte do banco, que adianta tratar-se de uma “instituição portuguesa” que se chama Banco BEM – Banco de Empresas Montepio, que chega no primeiro trimestre de 2019.

O Montepio pretende ajudar as empresas portuguesas, sobretudo as PME, “que vão poder ter acesso a uma oferta completa, integrada e estruturada que vai muito além do crédito”, diz a mesma fonte. “A banca está muito focada no lado financeiro, mas o Banco BEM vai ter um outro complemento, o lado económico”, garante fonte da instituição liderada por Carlos Tavares. O BEM vai estar estruturado em três áreas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Máximo dos Santos defende papel do BdP na aplicação das medidas de resolução aos bancos pequenos

O Banco de Portugal organizou ontem de manhã, em Lisboa, um evento dedicado ao planeamento de resolução de instituições classificadas de menos significativas e das instituições que não estão abrangidas pelo âmbito do Mecanismo Único de Resolução. Juntou 28 instituições de crédito e empresas de investimento e a APB.

António de Sousa passa avaliação de idoneidade

Ex-presidente da Caixa, atualmente gestor do fundo ECS, passou no exame de idoneidade do supervisor a antigos administradores do banco público que continuam ligados ao setor financeiro.

FMI recomenda que Parlamento dê ouvidos aos supervisores na reforma da supervisão financeira

“Os três supervisores setoriais nacionais levantaram preocupações legítimas em relação ao projeto de lei e que merecem uma ponderação cuidadosa no Parlamento antes que este projeto de lei seja aprovado e convertido em lei”, lê-se no comunicado da equipa técnica do FMI que esteve em visita a Portugal.
Comentários