PremiumMontepio vai lançar banco BEM para reforçar aposta nas PME

Carlos Tavares já tem nome e projeto para o banco de investimento da Caixa Económica. O Montepio Investimento vai passar a BEM – Banco de Empresas Montepio e será estruturado em três áreas.

A Caixa Económica e futuro Banco Montepio vai ter um banco de investimento que se chamará BEM – Banco de Empresas Montepio. Trata-se de um banco de investimento específico para pequenas e médias empresas, com volume de negócios entre 20 e 50 milhões de euros. Carlos Tavares pretende criar um banco que pretende ajudar as empresas a chegar onde chegam as grandes e vai reconverter o actual Montepio Investimento nesse Banco de Empresas Montepio.

“Está a nascer um projeto original na banca de empresas, em Portugal”, diz fonte do banco, que adianta tratar-se de uma “instituição portuguesa” que se chama Banco BEM – Banco de Empresas Montepio, que chega no primeiro trimestre de 2019.

O Montepio pretende ajudar as empresas portuguesas, sobretudo as PME, “que vão poder ter acesso a uma oferta completa, integrada e estruturada que vai muito além do crédito”, diz a mesma fonte. “A banca está muito focada no lado financeiro, mas o Banco BEM vai ter um outro complemento, o lado económico”, garante fonte da instituição liderada por Carlos Tavares. O BEM vai estar estruturado em três áreas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Crédito Agrícola elege nova administração a 25 de maio

A Caixa Central de Crédito Agrícola é responsável pela coordenação e supervisão das 80 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo e é liderada por Licínio Pina desde 2013, há dois mandatos. O gestor trabalha no banco há mais de 30 anos.

Blockchain: Santander faz acordo de 620 milhões de euros para usar tecnologia da IBM

Acordo prevê a incorporação de tecnologias da IBM em áreas como a blockchain, big data e inteligência artificial. CIO do Santander, David Chats, diz que aposta está em linha com a “estratégia de progresso constante”.

CGD: BdP avalia idoneidade de sete ex-gestores, incluindo o ex-governador António de Sousa

Entre os gestores que desempenharam funções na CGD entre 2000 e 2015 a ser avaliados pelo BdP estão ainda Vítor Fernandes e Jorge Cardoso (Novo Banco), João Nuno Palma (BCP), António Vila-Cova (Finantia), Maria João Carioca (CGD) e José Fernando Maia de Araújo (EuroBic).
Comentários