Moody’s corta ‘outlook’ do Reino Unido para negativo, devido à “paralisação” do Brexit

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ do Reino Unido em Aa2, mas cortou a perspetiva. “A força institucional do governo do Reino Unido enfraqueceu, como ilustrado pela crescente inércia e, às vezes, paralisia que caracterizou a formulação de políticas da Era -Brexit”, justificou.

EPA/VICKIE FLORES

A agência de notação financeira Moody’s manteve esta sexta-feira a notação da dívida soberana britânica inalterada em Aa2, mas cortou a perspetiva de ‘estável’ para ‘negativa’, justificando com a “paralisação” provocado pelo Brexit.

“A força institucional do governo do Reino Unido enfraqueceu, como ilustrado pela crescente inércia e, às vezes, paralisia que caracterizou a formulação de políticas da Era -Brexit”, explica a agência no relatório. “A incerteza relacionada com o Brexit levou a um crescimento mais lento do investimento empresarial, que pesa sobre as taxas de crescimento”, acrescenta.

A decisão da Moody’s, que alinha o ‘outlook’ com a Fitch e a S&P, surge após a aprovação do parlamento britânico para a realização de eleições antecipadas a 12 de dezembro, convocadas por Boris Johnson.

A agência considera ainda que “o declínio da força institucional” derivada do Brexit se irá manter, mesmo após o impasse para a saída do Reino Unido da União Europeia, com as divisões na sociedade e política britânica.

“O peso da dívida do Reino Unido é alto e improvável que caia, dadas as crescentes pressões para aumento de gastos, com pouca clareza sobre como podem ser financiados”, realça.

A Moody’s cortou a notação da dívida soberana britânica de AAA em 2013 e em 2017, para Aa2, o que coloca o Reino Unido atualmente a par da avaliação que a agência norte-americana faz a França e abaixo da Alemanha (AAA).

Ler mais

Recomendadas

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.

Trichet: Lagarde vai fazer “um bom trabalho” e Centeno tem uma “grande responsabilidade” no Eurogrupo

Antigo presidente do Banco Central Europeu diz que a nova responsável pela política monetária da zona euro “tem todas as qualidades necessárias para ser uma muito boa presidente, uma muito boa líder”.
Comentários