Moody’s diz que África subsaariana tem “desafios económicos severos” em 2021

A agência de notação financeira Moody’s alertou hoje que a África subsaariana vai enfrentar “desafios económicos severos” este ano devido à crise agravada pela pandemia de covid-19, com a dívida pública a subir para 64%.

“O fardo da dívida pública para a maioria dos países da África subsaariana vai estabilizar num nível substancialmente mais elevado em 2021, com a média da dívida da região a ficar nos 64% a curto e médio prazo”, disse o vice-presidente da agência de ‘rating’ Moody’s, Kelvin Dalrymple.

Num comunicado enviado à Lusa, que acompanha a divulgação de um relatório que pormenoriza a opinião da Moody’s sobre os desafios desta região, o responsável acrescenta: “Não esperamos que os níveis de dívida desçam no futuro previsível, já que a capacidade de gerar receitas continua fraca, e estes volumes mais elevados de dívida, a menor receita governamental e os custos mais elevados dos juros vão colocar ainda mais desafios à sustentabilidade da dívida”.

“Níveis mais elevados e menor capacidade de pagar a dívida, e menos almofadas financeiras colocam desafios significativos aos países da região, dada a sua limitada capacidade institucional”, refere o comunicado.

A Moody’s antecipa que a recuperação vai ser desigual, variando entre as subregiões.

“A recuperação na região será lenta, com implicações abrangentes para a já reduzida capacidade de gerar receita”, alertam os analistas, notando que a combinação de baixo crescimento económico e elevada despesa pública “vai originar défices mais elevados e dívidas mais pesadas na região”.

Para além da questão da dívida, essencial para financiar o desenvolvimento e a recuperação das economias africanas, a Moody’s salienta também que estes países enfrentam “desafios abrangentes institucionais e de governação que limitam a sua capacidade para combater a pandemia, que desencadeou mais desemprego e maiores desigualdades nos rendimentos que vão provavelmente aumentar os riscos sociais em vários países”.

Para a Moody’s, as economias mais concentradas e as exportadoras de energia “vão recuperar a um ritmo mais lento devido aos baixos preços energéticos”, o mesmo acontecendo com as ligadas ao turismo, ao passo que as economias exportadores de produtos não energéticos na África Oriental vão continuar a ser as mais dinâmicas.

O continente africano regista atualmente 76.762 mortes devido à covid-19, num total de 3,1 milhões de casos nos 55 Estados-membros da União Africana, segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças desta organização (Africa CDC).

Ler mais

Recomendadas

Lucro líquido da Berkshire Hathaway de Warren Buffett caiu 48% em 2020

“No ano passado, demonstramos o nosso entusiasmo pelos ativos da Berkshire ao recomprar o equivalente a 80.998 ações “A”, gastando 24,7 mil milhões de dólares no processo. Essa medida aumentou a vossa posição em todos os negócios da Berkshire em 5,2% sem exigir que tocassem na carteira”, escreveu o ‘oráculo de Omaha’, na carta anual enviada aos acionistas.

PremiumLagarde e Powell permitem inflação pontual

As autoridades monetárias pretendem continuar com a sua política acomodatícia apesar de “pontuais” subidas da inflação pós-pandemia.

Nasdaq foi o único a ‘verde’ no fecho da sessão em Wall Street

Amazon, Apple, Microsoft e Alphabet fecharam com ganhos. Já as ações da Beyond Meat – a marca que revolucionou a indústria ao criar alimentos vegan com sabor a carne – subiram 1,30% para 145,62 dólares, depois de ter anunciado um acordo com a McDonald’s e a Yum!Brands.
Comentários