Moody’s: Portugal “bem posicionado” rumo à descarbonização. EDP vai beneficiar do novo paradigma

Numa nota divulgada esta terça-feira, a Moody’s destaca os custos em queda das energias renováveis e que os leilões regulares de energia solar e eólica em Portugal e Espanha são uma oportunidade para as empresas do setor aumentarem os ganhos.

“Portugal e Espanha estão bem posicionados para cumprir as suas metas vinculativas e não-vinculativas para a descarbonização”, concluiu a Moody’s numa análise aos dois países ibéricos.

Para a agência de notação financeira norte-americana, a “mudança rumo à descarbonização representa várias oportunidades” para os dois países.

Numa nota divulgada esta terça-feira, a Moody’s destaca os custos em queda das renováveis e que os leilões regulares são uma oportunidade para melhorar receitas.

“A descarbonização representa um número de oportunidades e desafios para as empresas elétricas com os custos de renováveis em queda e leilões regulares de energia solar e eólica a providenciar um número de novos projetos e oportunidades para aumentar as receitas neste setor”, disse em comunicado o vice-presidente da Moody’s, Paul Marty.

Olhando para as empresas que podem beneficiar, a Moody’s destaca a portuguesa EDP, assim como as espanholas Endesa e Iberdrola por “já terem massa críticas nas renováveis que gera economias de escala e acesso a grandes bases de consumidores” por terem uma integração vertical.

Os preços ibéricos grossistas de eletricidade vão estar a negociar entre os 45 e os 55 euros até 2022, podendo sofrer um “ligeiro declínio neste período”, refletindo mudanças já esperadas nos preços das matérias-primas e o crescimento na produção de renováveis.

Ler mais
Relacionadas

PremiumAntónio Mexia: “Vemos interesse de muitos fundos americanos na EDP”

O CEO da EDP diz ao Jornal Económico que nenhum acionista, nem a China Three Gorges, pode condicionar o plano estratégico da energética portuguesa.

PremiumEDP aproveita ventos favoráveis para acelerar nos EUA

No final de outubro, a EDP ganhou quatro contratos nos EUA. António Mexia diz ao JE que os recursos eólicos e solares e a forte procura dão “potencial gigante”. Japão é o próximo passo no offshore.

Sociedade detida pela chinesa CNIC vendeu 1,33% do capital da EDP por 175,6 milhões

A sociedade Orise S.A.R.L., detida pelos chineses da CNIC, vendeu na terça-feira por 175,6 milhões de euros 1,33% do capital social da EDP, segundo um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).
Recomendadas

Café do vulcão cabo-verdiano do Fogo chega ao gigante Starbucks

Uma parceria estabelecida entre empresários holandeses e cabo-verdianos está a levar o café da ilha do Fogo, produzido biologicamente junto ao vulcão, à gigante norte-americana Starbucks, a maior rede de cafés do mundo.

PremiumFintech Pagaqui investe nas criptomoedas

Empresa quer continuar próxima dos pequenos retalhistas e está a criar serviços para que os clientes paguem o café com moedas digitais.

Indígenas protestam junto da sede da Repsol contra petróleo no mar brasileiro

Um grupo de indígenas brasileiros, em conjunto com representantes do movimento de proteção ambiental 350.org, manifestaram-se hoje junto da sede da petrolífera Repsol em Madrid contra o uso de combustíveis fósseis, pedindo um “mar sem petróleo”.
Comentários