Moody’s: Preços das casas em Portugal vão subir 4% em 2020

Apesar da subida, esta variação representa um abrandamento face à subida de preços registada este ano. A agência de notação financeira norte-americana aponta que esta subida vai ter lugar num contexto de “uma robusta confiança do consumidor”, destacando também a descida do desemprego.

O preço das casas em Portugal vai subir 4% em 2020, prevê a Moody’s num relatório divulgado esta quarta-feira. “Uma forte subida do preço das casas [em Portugal], apesar de ter sido mais baixa nos últimos anos”, segundo o documento.

Apesar desta valorização, a variação de 4% regista um abrandamento face ao aumento de 7% a 8% previsto no ano passado pela Moody’s para 2019.

A agência de notação financeira estima subidas de entre 7% a 8% até 2020 no valor das casas.

A agência de notação financeira norte-americana aponta para a “confiança do consumidor robusta” no país, destacando também que o “desemprego vai descer ligeiramente”.

Analisando novos empréstimos à habitação, a Moody’s destaca que vai ter “algum recuo no empréstimo para habitação”.

A agência prevê uma subida de 1,7% do PIB português em 2020, com uma taxa de desemprego de 6%.

Olhando para outros países europeus, a maior subida no preço das casas vai ter lugar em: Espanha (5,5%), Irlanda  e Holanda (4,5%), Alemanha.

As menores subidas vão ter lugar em França (2,5%), Reino Unido (0,7%) e Itália (0%).

Este estudo analisa créditos à habitação, empréstimos para cartões de crédito, crédito ao consumo e automóvel, assim como empréstimos para pequenas e médias empresas (PME).

Ler mais

Recomendadas

“Cotadas que não paguem dividendos devem suprimir bónus dos administradores executivos”, diz Sequeira Braga

A medida deve aplicar-se também às empresas que venham a pedir ajuda estatal, refere ao JE o presidente da Assembleia Geral do clube dos pequenos acionistas. Diz que as bolsas estão fortemente influenciadas por “fatores psicológicos” e as empresas cotadas vão sofrer desvalorizações, portanto não devem distribuir dividendos se para isso necessitem de se endividar.

Marsh Portugal prevê retração de crédito e aconselha empresas a ajustar negócios

Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, Catarina Vivo, Financial Risks Specialist da Marsh Portugal, defende que as empresas têm de cobrar as faturas já emitidas e vencidas e adaptar e ajustar o seu modelo de negócio e a sua atividade à atual conjuntura para tentar sobreviver a esta crise.

IRS: Termina hoje o prazo para conferir deduções e reclamar

O prazo para consultar e reclamar das despesas gerais familiares apuradas pelo fisco para efeitos de deduções à coleta termina esta terça-feira, 31 de março. É também este o último dia para comunicar a entidade a quem se quer consignar IRS ou IVA em IRS.
Comentários