PremiumMoratórias privadas fazem “capitalização de juros”, alerta Deco

Vinay Pranjivan, da Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor, diz que a moratória privada da ASFAC capitaliza juros sobre juros. Presidente da associação nega prática de anatocismo. Ambos dizem que crédito ao consumo deveria ter estado na moratória pública,

“Nem todos os países criaram moratória, em França não foram criadas moratórias”. Foi assim que António Menezes Rodrigues, presidente da Associação das Instituições de Crédito Especializado (ASFAC) se defendeu da crítica de Vinay Pranjivan, economista da DECO, sobre o facto de dez das 25 associadas não terem aderido à moratória da associação. O economista argumenta que isto colocou consumidores em desigualdade.

Menezes Rodrigues defende as suas associadas. “As que não aderiram na ASFAC têm razões fortes. Por exemplo, têm valores residuais e ficam altamente prejudicadas com o deslizamento do período do crédito. Estas instituições não têm nenhuma vantagem. Importa-lhes, no caso de incumprimento, não acontecer a criação de imparidades no registo da central de riscos do Banco de Portugal”, frisou.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Mar 2020 com 421,7 milhões de euros de despesa pública comprometidos até junho

O programa, que se insere no Portugal 2020, apresenta uma taxa de compromisso de 83,4% e 41% de execução, segundo o ministro Ricardo Serrão Santos.

Revisão do Orçamento dos Açores aprovada na Assembleia Regional

Na apresentação da revisão do orçamento, o vice-presidente do Governo Regional avançou que a proposta prevê um aumento de 210,4 milhões de euros da despesa orçamental e uma redução de 74,6 milhões da receita.

António Costa e Giuseppe Conte avisam que degradação das previsões económicas impõem acordo europeu já

Os primeiros-ministros de Portugal e de Itália alegaram esta terça-feira que o agravamento das previsões negativas da economia feitas pela Comissão Europeia impõe um acordo entre os 27 Estados-membros já na próxima reunião do Conselho Europeu.
Comentários