Moscovo diz que relações com os EUA estão a “entrar num buraco sem fim”

Ministério dos Negócios Estrangeiros russos diz que possível resposta às sanções aprovadas recentemente contra Moscovo pelo Congresso dos Estados Unidos “está a ser estudada”.

Ler mais

As relações entre Moscovo e Washington estão “a entrar num buraco sem fim” e ambas as partes devem estar conscientes disso, declarou esta segunda-feira a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Maria Zajarova.

“É preciso fazer com que prevaleça o senso comum, porque temos que entender que entramos num buraco sem saída”, disse Zajarova ao canal de televisão russo Dozhd. Ao mesmo tempo, ela apontou que não se poderá ficar à espera que diminua o “tom na retórica americana com relação à Rússia” num futuro próximo.

Quanto a uma possível resposta às sanções aprovadas recentemente contra Moscovo pelo Congresso dos Estados Unidos, Maria Zajarova disse que a reação russa “está a ser estudada. Não posso dizer datas concretas ou formas concretas, mas tudo isto está a ser avaliado (…). Vemos-nos obrigados a responder”, afirmou.

Explicou que se refere a uma resposta de Moscovo às sanções aprovadas pelo Congresso e não à limitação das atividades da embaixada dos EUA, com a proibição para a emissão de vistos de não imigração em várias cidades russas e o prolongamento dos prazos para a tramitação de vistos em Moscovo.

A lei, adotada no final de julho pelos Estados Unidos, fortalece as sanções contra a Rússia pela alegada interferência nas eleições de 2016 nos EUA, nas ações na Ucrânia e na Síria e nas violações dos direitos humanos, e limita a capacidade do presidente americano, Donald Trump de suspendê-las sem a autorização do Congresso.

Em represália, o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo determinou ao governo americano que a partir de 1 de setembro, reduza 755 pessoas que trabalham na embaixada em Moscovo e nos consulados de São Petersburgo e outras cidades, até atingir o mesmo número do pessoal diplomático que a Rússia tem nos EUA.

Relacionadas

EUA impõem sanções contra chineses e russos por colaborar com Coreia do Norte

Sanções afetam seis indivíduos e dez entidades, entre elas a Dandong Rich Earth Trading e a Mingzheng International, sediadas na China e que facilitaram acesso da Coreia do Norte ao sistema financeiro internacional.

Moscovo considera “muito elevado” risco de guerra entre EUA e Coreia do Norte

Ministro dos Negócios Estrangeiros afirma que está nas mãos de Washington avançar com um gesto de desanuviamento e recorda que a Rússia também não aprecia a circunstância de Pyongyang ser uma potência nuclear.

Por que é mais perigosa a ‘guerra’ EUA-Coreia do Norte que a EUA-Rússia?

Principalmente porque não há canais de comunicação claros e diretos com a Coreia do Norte, ao contrário do que acontece com a Rússia. É impossível gerir uma situação de crise através do Twitter.
Recomendadas

Salzburgo: mais uma cimeira sem qualquer sucesso

Questão da imigração é cada vez mais fraturante nas cimeiras que juntam os chefes de Estado e governo da União Europeia. Mais uma vez, não foi possível qualquer acordo.

União Europeia quer organizar cimeira com a Liga Árabe

Questão da imigração estará no centro do eventual encontro entre as duas organizações. Passos nesse sentido irão ser dados no encontro informal de Salzburgo – que, ontem, não conseguiu qualquer desenvolvimento no debate sobre a matéria.

Espanha: PP exige ao governo socialista marcação de eleições

O país está envolvido numa guerra de currículos que está a minar os entendimentos políticos entre os partidos. A crise provocada pela moção de censura do PSOE parece a postos para continuar.
Comentários