Moscovo questiona decisão dos EUA em sair da Organização Mundial de Saúde

A representante da diplomacia russa questionou sobre o que vão os Estados Unidos da América (EUA) dar em troca desta decisão de saída da OMS.

O Governo russo questionou hoje a saída dos Estados Unidos da América da Organização Mundial de Saúde (OMS) considerando que prejudica as relações de cooperação na saúde numa altura crítica devido à situação pandémica causada pelo novo coronavírus.

“Quando o mundo precisa de consolidar esforços na luta contra a pandemia, Washington desfere um golpe no cimento da interação na esfera da saúde”, disse aos jornalistas a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Russia, Maria Zajárova, citada pela agência Interfax.

A representante da diplomacia russa questionou ainda sobre o que vão os Estados Unidos da América (EUA) dar em troca desta decisão de saída da OMS.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na sexta-feira que terminou o relacionamento entre os Estados Unidos e a Organização Mundial de Saúde, que acusou de ser inapta na gestão da pandemia de covid-19.

Donald Trump alega que a OMS não soube responder de forma eficaz ao seu apelo para introduzir alterações no seu modelo de financiamento, depois de já ter ameaçado cortar o financiamento norte-americano a esta organização das Nações Unidas, acusando-a de ser demasiado benevolente com o Governo chinês.

“Porque falharam em fazer as reformas necessárias e requeridas, terminamos o nosso relacionamento com a Organização Mundial de Saúde e iremos redirecionar os fundos para outras necessidades urgentes e globais de saúde pública que possam surgir”, disse Trump, em declarações aos jornalistas.

No início deste mês, o Presidente norte-americano tinha feito um ultimato à OMS, ameaçando cortar a ligação à organização se não fossem feitas reformas profundas na sua estrutura e no seu ‘modus operandi’.

Nessa altura, Trump suspendeu temporariamente o financiamento à OMS, no valor que está estimado em cerca de 400 milhões de euros anuais, o que corresponde a 15% do orçamento da organização.

Trump acusou a OMS de ter feito uma gestão ineficaz de combate à pandemia de covid-19 e de ter sido conivente com o Governo chinês, alegando que Pequim reteve informação relevante sobre a propagação do novo coronavírus, que aumentou os riscos da crise sanitária global.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 362 mil mortos e infetou mais de 5,8 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,4 milhões de doentes foram considerados curados.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (mais de 102.201) e mais casos de infeção confirmados (mais de 1,7 milhões).

Ler mais
Relacionadas

Trump anuncia fim da cooperação com a Organização Mundial de Saúde

Nas últimas semanas, as tensões entre os EUA e a OMS têm escalado devido à alegada falta de transparência da organização face à gestão do surto do novo coronavirus.
Recomendadas

Internamentos hospitalares e casos graves aumentam em França

A Direção Geral da Saúde (DGS) revelou que nas últimas 24 horas foram registados 108 novos ingressos nos hospitais por covid-19, num total de 5.045, enquanto 28 pessoas foram dirigidas para as unidades de cuidados intensivos, onde agora permanecem 396 doentes.

Provedoria de Justiça recebe cinco queixas sobre uso obrigatório de máscara na Madeira

Fonte do gabinete da provedora disse que até hoje já foram apresentadas cinco queixas, “que estão ainda a ser objeto de análise”.

Espanha regista 8.618 novas infeções por Covid-19 desde sexta-feira e 1.486 caso​s nas últimas 24 horas

O país vizinho divulgou os números associados à Covid-19: mais de 8.500 infetados deste sexta-feira.
Comentários