Mota-Engil garante mais 327 milhões em Angola, Moçambique e Portugal

Já na passada segunda-feira, dia 7 de outubro, a Mota-Engil já havia anunciado um contrato firmado no valor de 122 milhões de euros no Brasil, elevando para 449 milhões de euros o valor dos contratos internacionais já revelados desde o início desta semana.

Mota-Engil

A Mota-Engil garantiu mais três contratos, no valor conjunto de 327 milhões de euros, em Angola, Moçambique e Portugal.

Segundo um comunicado, trata-se de novos contratos em segmentos diferenciados de obras públicas, serviços de mineração e construção civil, “em mercados relevantes como sejam Angola, Moçambique e Portugal, onde a Mota-Engil perspetiva continuar a afirmar-se como um ‘player’ relevante no setor das infraestruturas”.

Recorde-se que na passada segunda-feira, dia 7 de outubro, a empresa liderada por António Mota e Gonçalo Moura Martins já havia anunciado um contrato firmado no valor de 122 milhões de euros no Brasil, elevando para 449 milhões de euros o valor dos contratos internacionais já revelados pela Mota-Engil desde o início desta semana.

“Em Angola, e resultante de um processo de concurso público para a implementação de projetos estruturantes na província do Cunene, a Mota-Engil ganhou contratos que visam a construção de barragens, sistemas de captação de água e canais adutores. Neste conjunto de projetos anunciados pela presidência angolana, a Mota-Engil Angola venceu, em consórcio com uma participação de 50%, o concurso referente ao terceiro lote, para a construção da barragem de Calacuve, um projeto integrado no âmbito do ‘Programa de Ações Estruturantes de Combate aos efeitos da Seca – Província do Cunene”, sendo a obra avaliada em 177 milhões de dólares (160 milhões de Euros) e com um prazo de execução de 20 meses”, explica o referido comunicado.

Por seu turno, em Moçambique, a Mota-Engil Engenharia e Construção África, S.A. celebrou “um contrato para a execução de serviços mineiros em Moatize”.

“O contrato totalizará cerca de 100 milhões de dólares (90 milhões de Euros) e contemplará execução dos serviços mineiros, incluindo a perfuração, desmonte com explosivos, carga e transporte do carvão e estéril. Os trabalhos, a executar em mina a céu aberto, terão um prazo de 60 meses e o início em outubro de 2019”, esclare o comunicado da Mota-Engil, acrescentando que “a assinatura de mais um contrato em Moatize, suportando o desenvolvimento da atividade económica que se alarga a toda a região de Tete, confirma Moçambique como um dos principais eixos da dinâmica comercial da Mota-Engil África neste continente, onde tem vindo a reforçar a sua posição como empresa de referência no setor da mineração”.

Em Portugal, a Mota-Engil Engenharia e Construção, S.A., “celebrou com a Vanguard Properties, um contrato para a construção do edifício residencial ‘Infinity’, um projeto que será um ícone da cidade de Lisboa, com um total de 195 apartamentos, entre as tipologias T1 e T6, e que reforça a Mota-Engil como empresa líder do mercado nacional e de referência em obras privadas de construção civil de elevada dimensão”.

O contrato, no valor de 77 milhões de Euros, prevê um prazo de execução de 28 meses.

Ler mais
Relacionadas

Mota-Engil ganha novo contrato de 122 milhões de euros no Brasil

Neste momento, a nível global, a área de ambiente e serviços da Mota-Engil, regista já cerca de quatro mil milhões de euros de volume de negócios a executar.
Recomendadas

Arábia Saudita: empresas portuguesas identificam potenciais parcerias

A missão empresarial organizada pela AEP decorreu entre os passados dias 7 e 10 de outubro, contando com seis empresas nacionais do setor da construção, que participaram na feira ‘Saudi Build & Stone Tech 2019’.

Construtora Mota-Engil coloca uma emissão de 75 milhões em obrigações para os pequenos investidores

O pagamento da taxa de juro bruta é de 4,375%. A oferta pública de subscrição arranca na próxima segunda-feira, dia 14 de outubro e termina no dia 25 do mesmo mês.

Produção na construção registou variação homóloga de 2,9% no mês de agosto

Este ligeiro abrandamento foi determinado pelo segmento da engenharia civil que apresentou uma variação de 3,2%, 0,3 pontos percentuais inferior à observada no mês de julho.
Comentários