Mota-Engil prevê subida na faturação de 7,5% no primeiro semestre

A construtora encerrou o primeiro semestre deste ano com uma carteira de encomendas acima dos 5,2 mil milhões de euros, dos quais 75% fora da Europa.

Mota-Engil

A Mota-Engil prevê ter registado um crescimento de 7,5% do volume de negócios no primeiro semestre deste ano face ao período homólogo de 2018, para um montante de 1,34 mil milhões de euros.

De acordo com um comunicado enviado pela construtora há minutos para a CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o EBITDA da empresa no período em análise deverá ter aumentado cerca de 10%, face ao período homólogo.

Desta forma, o EBITDA da Mota-Engil no primeiro semestre de 2019 deverá ter-se fixado em 194 milhões de euros, “com uma sólida e crescente margem de 14,4%”, de acordo com o referido comunicado

O mesmo documento sublinha que a Mota-Engil encerrou o primeiro semestre deste ano com uma carteira de encomendas acima dos 5,2 mil milhões de euros, dos quais 75% fora da Europa.

Por seu turno, a dívida líquida da Mota-Engil no final da primeira metade deste ano deverá ter-se situado nos 1,07 mil milhões de euros, “apesar do elevado investimento e do fundo de maneio tradicionalmente desfavorável no primeiro semestre”

No período em análise, o investimento líquido da Mota-Engil ascendeu a cerca de 105 milhões de euros.

A empresa liderada por António Mota e Gonçalo Moura Martins avisa que, “tal como previsto no calendário do investidor, o relatório intercalar completo será publicado no próximo dia 29 de agosto de 2019”.

Ler mais
Recomendadas

Efeito novo aeroporto: Licenças para construção disparam 778% em Alcochete

Os pedidos de licenciamento de construção subiram 8% na região da Área Metropolitana de Lisboa.

Custo de mão de obra faz aumentar o custo de construção de novas habitações

O preço dos materiais e o custo de mão de obra apresentaram variações positivas de 0,4% e 4,9%, face ao período homólogo.

Mota-Engil entrou no ‘top 5’ mundial das construtoras na América Latina

Nesta região do planeta, a construtora portuguesa foi apenas superada ipela ACS (de Florentino Pérez, presidente do Real Madrid), Sacyr (empresa que adquiriu a portuguesa Somague), Vinci (grupo que ganhou a privatização da ANA) e pela Fluor Corporation.
Comentários