Motoristas: Governo recebe hoje sindicato para retoma de negociações com Antram

O Governo recebe hoje o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) para a retoma de negociações com a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários (Antram).

Carlos Barroso / Lusa

A reunião, marcada para as 16:00 no Ministério das Infraestruturas e Habitação, em Lisboa, realiza-se depois de, no domingo, num plenário em Aveiras de Cima (Lisboa), o sindicato ter decidido desconvocar uma greve que durava há sete dias.

Contudo, na moção aprovada durante o plenário, os motoristas decidiram mandatar a direção do sindicato para tomar medidas como “a convocação de greves às horas extraordinárias, fins de semana e feriados” caso a Antram “demonstre uma postura intransigente”.

Na segunda-feira, o SNMMP afirmou, em comunicado, que a greve terminou sem ter produzido “ainda” os resultados pretendidos e considerou que, apesar dos avanços alcançados, “as bases” para a negociação “ainda estão longe” do necessário.

“O Governo anunciou estar aberto o caminho para uma nova ronda negocial, à qual não vamos virar costas”, disse o SNMMP, no documento, considerando que “ficou claro” que o ponto de partida da mediação encontra-se “acima” daquele que se verificava antes da greve.

“Queremos negociar e, para o efeito, cumpriremos as condições exigidas para que a mediação reúna com todas as partes, mas não podemos mentir aos nossos associados e ao país: as bases que estão lançadas para essa negociação ainda estão longe do que precisamos para que os motoristas de cargas perigosas possam viver com a dignidade”, indicou o sindicato, na segunda-feira.

Por sua vez, a Antram congratulou-se, no domingo, com a desconvocação da greve e manifestou-se disponível para ouvir as “reivindicações legítimas” do SNMMP, mas dentro do suportável pelas empresas de transporte.

Em declarações à CMTV, o porta-voz da Antram, André Matias de Almeida, frisou que as empresas “não podem aceitar aumentos” salariais que possam representar “despedimentos coletivos em massa” ou o “fecho das empresas”.

No início da madrugada de sábado, após o falhanço de uma reunião que durou cerca de 10 horas no Ministério das Infraestruturas, a Antram considerou que a proposta então defendida pelo sindicato era “incomportável para as empresas” e discriminatória para os trabalhadores filiados nos outros sindicatos.

“O aumento que o sindicato quer, além de incomportável, é discriminatório face aos colegas associados da Fectrans [federação sindical afeta à CGTP) e do SIMM [Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias]”, afirmou então à Lusa o porta-voz da Antram.

André Matias de Almeida adiantou que o acordo alcançado em 17 de maio inclui um “subsídio de operações (subsídio de risco para manuseamento de matérias perigosas), para entrar em vigor em 2020, para os trabalhadores de matérias perigosas”.

“A proposta do SNMMP era de aumentar esse subsídio de operações 40% acima do protocolado em maio, no valor de 125 euros”, referiu o representante da Antram.

Ler mais
Relacionadas

Rui Rio ataca Marques Mendes devido à greve dos motoristas de matérias perigosas

Ex-presidente do PSD apontou falhas ao líder social-democrata durante a greve, levando Rio a insurgir-se contra “alguns profissionais do comentário”. E a garantir que os portugueses voltaram a assistir “à montagem de um circo com fins eleitorais”.

ANAREC espera rápido acordo após fim da crise energética

A associação de revendedores de combustíveis registou “com agrado” o anúncio do final da greve e do estado de crise energética e espera que haja um acordo entre as partes envolvidas o mais depressa possível.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Pardal Henriques avisa que não vai aceitar o mesmo acordo assinado pelos outros sindicatos

Pardal Henriques acusou o Governo de ter estado ao lado dos patrões durante a greve dos motoristas. O sindicalista diz que a mudança de atitude por parte do Governo permitiu o fim da greve.

Greve dos motoristas: Ministro da Defesa garante que ação de militares não afetou “missões habituais”

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, garantiu esta segunda-feira que a ação de militares das Forças Armadas durante a greve dos motoristas de pesados não pôs em causa as “missões habituais” da Marinha, Força Aérea e Exército.
gasolina_combustiveis_greve_motoristas

ANTRAM responde aos motoristas: “A ameaça e a chantagem nunca trouxeram nenhuma vantagem”

Os motoristas já avisaram que estão preparados para fazer greve às horas extraordinárias, fins de semana e feriados se a ANTRAM se mostrar “intransigente”. Em resposta, os patrões dizem que a “ameaça, e a chantagem nunca trouxeram nenhuma vantagem para ninguém”.
Recomendadas

OE2020: Partidos apresentaram mais de mil propostas de alteração à proposta orçamental

Entre as alterações de alteração ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) apresentadas pelos partidos estão a redução do IVA da eletricidade e nas atividades tauromáquicas, o fim dos ‘vistos gold’ em Lisboa e no Porto, cortes nos escalões mais baixos do IRS e aumentos nas pensões mais baixas.

OE2020: CDS-PP pede alívio fiscal para empresas e famílias subscrito pelo novo líder

A líder parlamentar do CDS-PP, Cecília Meireles, garante que as 40 propostas de alteração ao OE2020 que o partido apresentou esta segunda-feira são subscritas pelo novo líder democrata-cristão, Francisco Rodrigues dos Santos, e há “concordância” entre a bancada parlamentar e a nova direção.

OE2020: PAN quer acabar com isenções do ISP para navegação aérea e marítima

A medida consta na lista de mais de 200 proposta de alteração do PAN ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), que passam também pela criação de novas taxas ambientais e que permitiria, segundo o partido, financiar uma redução do IRS.
Comentários