Mourinho Félix: “Conselho Nacional de Supervisores Financeiros não é um supervisor dos supervisores”

“A proposta que aqui apresentamos não traz custos acrescidos. Tivemos bem presente o cuidado com os custos e com a eficiência do sistema” defendeu o secretário de Estado Adjunto e das Finanças. PSD, CDS e PCP criticaram proposta de lei.

Cristina Bernardo

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças, apresentou em plenário a reforma da supervisão financeira. A proposta que o Governo leva ao Parlamento é “uma proposta que foi elaborada do Grupo Trabalho liderado por Carlos Tavares, e que assenta em três princípios: A manutenção do modelo sectorial; o reforço de coordenação e cooperação dos supervisores e a autonomização da função de resolução”. Mourinho Félix disse que esta proposta de lei “dá corpo a estes princípios”.

“Esta é uma proposta feita com todos os supervisores financeiros, não é uma proposta consensual, mas é uma proposta sistemática integrada e equilibrada”, disse aos deputados Ricardo Mourinho Félix.

O Governo traz hoje a debate uma proposta de criação de um Sistema Nacional de Supervisão Financeira (SNSF).

O governante defendeu que se trata de um sistema integrado com a CMVM, Banco de Portugal, a Autoridade de Supervisão dos Seguros e Fundos de Pensões (ASF), o Conselho Nacional dos Supervisores Financeiros (CNSF) e a Autoridade de Resolução, “um sistema semelhante ao modelo europeu”, disse.

“O atual CNSF é reforçado para assegurar coordenação entre os supervisores, que no passado se mostrou frágil”, salientou.

Mourinho Félix disse que “este CNSF  ganha autonomia jurídica, passa a dispor de recursos próprios, passando a haver um elenco de matérias comuns que têm de ser discutidas em conjunto entre os supervisores”.

“O CNSF não é um supervisor dos supervisores, são os supervisores reunidos a trabalhar em conjunto num quadro de coordenação institucional porque todos juntos supervisionam melhor”, disse ainda.

A criação da Autoridade de Resolução, entidade autónoma, “permite eliminar conflitos de interesse com a supervisão bancária” defendeu o secretário de Estado, que acrescenta que “para preparar a evolução do sistema para o futuro, a autoridade de resolução fica apta também a receber os poderes de resolução de entidades seguradoras e mercados de capitais”.

A esta Autoridade é também atribuída todos os sistemas de garantia que podem ser acionados em caso de Resolução, como “o Fundo de Resolução, mas também o Fundo de Garantia de Depósitos e o Sistema de Indemnização aos Investidores”.

“Por último a proposta uniformiza o estatuto dos supervisores, no que se refere aos seus órgãos, composição e a sua designação. As regras de ética são também reforçadas, passam a existir períodos de nojo à entrada e à saída para todos os supervisores e os administradores ficam impedidos de ter participações sociais e outros interesses económicos em entidades que supervisionam”, disse o representante do Ministério das Finanças.

Ricardo Mourinho Félix diz que há um reforço de transparência e prestação de contas através do alargamento da informação que deve ser prestada à Assembleia da República e ao publico, “para que possa haver maior escrutínio”.

Depois diz que “a proposta que aqui trazemos não traz custos acrescidos”, acrescentando que “não aumenta nenhuma taxa de supervisão, antes dá aos supervisores o poder de fixar as suas taxas ouvindo os seus supervisionados”.

Mourinho Félix diz que esta reforma “dá aos supervisores plena autonomia orçamental e retira o Governo de grandes órgãos de supervisão onde estava representado em nome do reforço da independência”.

O Governo propõe a criação do Sistema Nacional de Supervisão Financeira (SNSF) e Mourinho Félix disse que algumas das sugestões dos supervisores e do BCE já estão acolhidas na proposta de lei e outras poderão ser acolhidas sem desvirtuar esta proposta se os deputados o quiserem.

Recorde-se que o parecer do BCE é bastante crítico em relação à proposta de lei que altera o Regime Geral das Instituições de Crédito.

Esta “trata-se da reforma mais completa e abrangente da supervisão financeira feita em Portugal”, disse o governante.

“A supervisão financeira nunca anteriormente havia sido olhada de forma integrada. Nunca
se tinha tentado fazer da supervisão financeira um sistema coerente”, reforçou.

“Esta reforma resulta de uma reflexão profunda e de uma discussão intensa. Questiona
competências, práticas e opções que nunca anteriormente haviam sido desafiadas, e que
são atualmente parte de um sistema que foi crescendo de forma casuística. Como diria Alexandre O’Neill, “Uma coisa em forma de assim”.

O Governo diz que com esta reforma quer “pôr fim a ideias dispersas sobre esta matéria”.

“Não aprovar esta proposta significa adiar uma questão fundamental, é esperar pelo próximo problema”, alertou o secretário de Estado.

A pedido da bancada do PS a proposta não vai ser votada em plenário, baixando à COFMA (Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa), que faz a discussão na especialidade. Mas as várias bancadas parlamentares comentaram a proposta de lei. Duarte Pacheco disse que “o PSD se vai opôr se nada for alterado nesta proposta de lei”.

Também o PCP se demarcou do Governo ao dizer que esta proposta “baralha e dá de novo e o jogo continua viciado”.

Cecília Meirelles, disse que “o CDS não vai fazer à pressa o que o Governo não fez com serenidade, pois não passa cheques em branco”.

O PS só tem apoio do Bloco de Esquerda. Mariana Mortágua fez um discurso apelar para que seja posto fim ao “estatuto excepcional do Banco de Portugal” e pede que este contribua para a Autoridade da Concorrência. Mortágua aponta baterias ao supervisor bancário, e mostra-se contra a inamobilidade do Governador do Banco de Portugal. Cita o caso de Vítor Constâncio que “autorizou crédito de 350 milhões a Berardo para comprar ações do BCP”, citando uma notícia de hoje do Público, e mais uma vez atacou Carlos Costa, que quer ver fora do Banco de Portugal.

Paulo Trigo Pereira, como deputado não inscrito (ex- PS), salientou que há aspectos positivos e negativos na reforma. Como aspeto positivo salienta o reforço do CNSF e o seu papel de entidade macroprudencial, e o mandato único de sete anos do Governador.

O aspeto negativo está, entre outros, o facto de a proposta retirar ao Governador o poder de escolher os seus administradores, disse o deputado que salientou que a Assembleia não pode servir de mero carimbo de propostas do Governo.

Ler mais
Recomendadas

António Horta Osório vai ser Chairman do Credit Suisse

Horta Osório será eleito Presidente do Conselho de Administração do Credit Suisse em maio. O banco está presente em Portugal. A nomeação será rápida, já que sendo um banco suíço não precisa de passar pela morosa avaliação do BCE.

Eurogrupo chega a acordo sobre reforma do MEE e ‘backstop’ para Fundo Único de Resolução

Os ministros das Finanças da zona euro chegaram hoje a acordo sobre a reforma do Mecanismo Europeu de Estabilidade e a introdução de uma rede de segurança no Fundo Único de Resolução, medidas que permitirão atenuar futuras crises.

BCE autoriza João Pedro Oliveira e Costa como CEO do BPI

Depois de ser autorizado pelo BCE, o CaixaBank aprovou esta segunda-feira por unanimidade a composição dos órgãos sociais do BPI para o mandato de 2020-2022. João Pedro Oliveira e Costa sucede oficialmente a Pablo Forero.
Comentários