Mulher de 80 anos processa Santander por enriquecimento ilícito na compra do Popular

Trata-se do primeiro processo judicial ao banco espanhol em relação à compra do Popular.

A sociedade de advogados espanhola Jausas apresentou perante os tribunais de primeira instância de Madrid o primeiro processo contra o Santander por enriquecimento ilícito na compra do Banco Popular por um euro.

O escritório representou uma viúva de 80 anos que investiu 50 mil euros em títulos no banco Popular e que, depois da venda acordada pelo Conselho Único de Resolução, foram convertidos em ações e amortizados a valor zero, de acordo com a notícia avançada pela agência espanhola EFE esta terça-feira.

O processo, ao qual a EFE teve acesso, salienta o “enorme enriquecimento injusto” pelo Banco Santander, traduzindo-se no empobrecimento dos detentores de ações, participações referentes e títulos.

Para a cliente, o Banco Popular sempre foi e continua a ser “um banco solvente” e foi afetado pelo processo de resolução e pelo “preço ridículo” da compra. A seu ver, o Santander comprou uma instituição bancária “com um valor próximo de 4.500 milhões de euros, não por um euro, como geralmente é referido, mas por um preço de menos 2.030 milhões de euros”.

Santander compra Banco Popular por um euro

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas. O que precisa saber sobre a compra e fusão do Popular com o Santander Totta

A marca Popular Portugal será descontinuada e todos os balcões passarão a ter a imagem Santander Totta, que se torna no maior banco privado português em termos de ativos e crédito.
Recomendadas

PremiumSegredos de negócio estão mais protegidos na lei

Consultor da CCA diz que a tecnologia dificultou a segurança das informações nas empresas, mas é possível implementar um plano “cauteloso e pensado”. E considera que as coimas “são uma das grandes inovações” da transposição da diretiva.

Luanda Leaks: Jorge Brito Pereira sai da Uría e suspende advocacia

Na sequência da sua saída da Uría, Jorge Brito Pereira diz que “como consequência imediata e necessária desta decisão, cessarei também o patrocínio jurídico à engenheira Isabel dos Santos e às sociedades que lhe estão associadas”.

Martim Menezes é novo sócio da Abreu

Advogado saiu da CCA para reforçar Contencioso e Comercial do escritório liderado por Duarte d’Athayde.
Comentários