Mulher de 80 anos processa Santander por enriquecimento ilícito na compra do Popular

Trata-se do primeiro processo judicial ao banco espanhol em relação à compra do Popular.

A sociedade de advogados espanhola Jausas apresentou perante os tribunais de primeira instância de Madrid o primeiro processo contra o Santander por enriquecimento ilícito na compra do Banco Popular por um euro.

O escritório representou uma viúva de 80 anos que investiu 50 mil euros em títulos no banco Popular e que, depois da venda acordada pelo Conselho Único de Resolução, foram convertidos em ações e amortizados a valor zero, de acordo com a notícia avançada pela agência espanhola EFE esta terça-feira.

O processo, ao qual a EFE teve acesso, salienta o “enorme enriquecimento injusto” pelo Banco Santander, traduzindo-se no empobrecimento dos detentores de ações, participações referentes e títulos.

Para a cliente, o Banco Popular sempre foi e continua a ser “um banco solvente” e foi afetado pelo processo de resolução e pelo “preço ridículo” da compra. A seu ver, o Santander comprou uma instituição bancária “com um valor próximo de 4.500 milhões de euros, não por um euro, como geralmente é referido, mas por um preço de menos 2.030 milhões de euros”.

Santander compra Banco Popular por um euro

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas. O que precisa saber sobre a compra e fusão do Popular com o Santander Totta

A marca Popular Portugal será descontinuada e todos os balcões passarão a ter a imagem Santander Totta, que se torna no maior banco privado português em termos de ativos e crédito.
Recomendadas

Assédio moral: local de trabalho e campo de batalha

O assédio, enquanto atitude hostil, persecutória e conspirativa contra um determinado indivíduo é tão antiga quanto a própria humanidade. Daí a importância de defender de forma intransigente aquilo que parece o mais básico: um espaço de trabalho digno dos trabalhadores.

RRP Advogados assessora a BlackRock em contrato de aquisição de energia com a Axpo

A equipa da RRP Advogados foi liderada por Carlos Vaz de Almeida, responsável pela área de prática de “Público e Projetos de Infraestruturas” da sociedade.

PLMJ assessora venda da Terra Verde

A PLMJ Advogados assessorou os acionistas particulares da Terra Verde na venda das suas participações ao Grupo EMMAC, uma multinacional que atua no setor do canábis para fins medicinais.
Comentários