PremiumMultimilionários lutam pelo Espaço

Elon Musk abriu uma nova era na indústria da exploração espacial. O criador da Tesla e o fundador do grupo Virgin, Richard Brason, viram-se para Marte. Já Jeff Bezzos, da Amazon, prefere a Lua, para a qual as agências espaciais dos Estados Unidos e da China também têm planos.

Os grandes grupos privados dizem que Marte vai tornar-se na nova “casa” da Humanidade nos próximos 30 anos. O caminho para chegar ao planeta vermelho pode ser perigoso, mas os milionários mais aventureiros parecem não querer saber disso e continuam a investir milhões para lá chegar. Elon Musk já explicou como pretende colonizar o “planeta vermelho”. O plano gira à volta de um grande foguetão, chamado BFR, que é capaz de levar uma nave espacial até ao espaço e de a deixar em órbita. Essa nave, capaz de transportar 100 pessoas, fica em órbita enquanto o BFR regressa à Terra.

Em 2018, o Falcon Heavy tornou-se no foguetão mais poderoso de sempre a chegar ao espaço. O voo inaugural terminou com uma aterragem perfeita dos propulsores e a euforia no quartel-general da Space X, empresa de Musk, foi impossível de esconder. “É hora de acreditar no futuro. E que o futuro seja melhor do que o passado. Não consigo pensar em nada mais excitante”, disse Musk no Congresso Internacional de Astronáutico. A Space X tem ainda contratos com a NASA no valor de quase cinco mil milhões de dólares para transportar astronautas e material logístico para a Estação Espacial.

A explosão na primeira nave da Virgin Galactic, que provocou a morte do copiloto, em 2014, impôs um atraso no calendário definido por Richard Branson para viajar até Marte. Para já, estão vendidas cerca de 700 viagens, a 235 mil euros cada uma, e Branson apresentou no verão do ano passado a nave que promete concretizar esse objetivo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumSteve Easterbrook: Relação amorosa pôs fim a décadas de dedicação aos hambúrgueres

As regras criadas para evitar casos de assédio sexual puseram fim à carreira fulgurante de um gestor britânico que era adolescente quando descobriu o prazer de comer batatas fritas e batidos num restaurante McDonald’s e acabou por subir a presidente e CEO da empresa.

Premium“Overdose” de horas de trabalho tem efeito nocivo para Portugal

Horários de trabalho prolongados não fazem apenas mal à saúde. São também prejudiciais para a economia, pois inibem a inovação e a melhoria da gestão nas empresas. O economista José Tavares, da Universidade Nova, põe o dedo na ferida: “Estamos viciados em horas extraordinárias. Se as horas extraordinárias fossem uma droga leve, Portugal estaria em ‘overdose’ há décadas.”

PremiumAlina Donets: “Mudanças climáticas estão a afetar os recursos hídricos”

A gestora do Global Water Fund da seguradora Allianz reconhece que existem indícios de que os padrões climáticos estão a mudar, o que tem consequências nos recursos hídricos disponíveis. Ainda sem investimentos em empresas portuguesas, Alina Donets recomenda alterar hábitos de consumo e a via da dessanilização.
Comentários