Mundial, dia 13: Messi não falhou e está no caminho de Cristiano Ronaldo

Uma jornada marcada por grandes momentos de ex-“portugueses”. Marcos Rojo marcou o golo da qualificação da Argentina e Carrillo, de novo o melhor no Peru, também com golo, voltou a provar que deve algo a si próprio e à sua carreira

E finalmente apareceu Messi, ainda a tempo de guiar a Argentina para a fase seguinte (2-1 à Nigéria) depois da sua equipa ter estado encostada às cordas. Marcou um golo extraordinário, acertou num dos postes na cobrança de uma falta e, acima de tudo, esteve mais disponível para a equipa do que nos dois primeiros jogos. Messi ressuscitou quando a equipa mais precisava dele e o Mundial ficou mais interessante.

O grande herói da passagem aos oitavos-de-final, no entanto, foi o ex-leão Marcos Rojo, agora futebolista do United de Mourinho. Marcou o golo da sua vida (com o pé direito, tal como Messi!), a quatro minutos do final, materializando, com um remate indefensável, toda a vontade de um grupo que mesmo não estando bem demonstra uma garra extraordinária. É isso que leva a Argentina em frente, em direção ao jogo com a França, de onde sairá a equipa que depois cruzará com o vencedor do Portugal-Uruguai. Quer isto dizer que é possível haver um Ronaldo-Messi nos quartos-de-final do Mundial.

A Argentina é melhor com Banega, fica mais segura em 4x4x2 e não ganhou nada de especial com a troca de Aguero por Higuain. O problema é suportar Mascherano, cuja vontade às vezes já não chega – bolas perdidas, um penalty concedido… O veterano futebolista, que agora atua na China, obrigou a sua equipa a fazer horas extraordinárias, embora tivesse participado de forma indomável no esforço geral para chegar à vitória.

Com o apuramento da Argentina, o Mundial está prestes a reunir na fase seguinte todos os favoritos. Já só falta a Alemanha, que marchará a seguir para o seu lugar. Surpresas? Houve surpresas? Não! Houve, como em todas as grandes competições, algumas inquietações iniciais e muito folclore porque as grandes equipas continuam a diferenciar-se nos pormenores, no momento delicado – e três jogos são muitos jogos para algumas equipas, como esta Nigéria, onde o talento africano tarda em casar-se com o rigor táctico e a assumir a maturidade necessária para ter ambições ao mais alto nível. Os jogadores são bons, com uma grande dupla atacante, Musa-Iheanacho, mas falta mais equipa. De África, já só o Senegal pode aspirar a qualificar-se e não será fácil jogando com a Colômbia, que tem outra capacidade competitiva.

No mesmo grupo, o D, a Islândia ainda teve a sua janela de oportunidade, até porque a Croácia deu dia de folga quase geral para começar já a preparar o duelo com a Dinamarca. Escaparam Modric e Perisic e juntou-se-lhes Kovacic, o croata que quer deixar Madrid por estar farto desta sina de ser suplente. Ainda assim, chegou (1-2) para o voluntarismo islandês, bonito mas muito perdulário: três boas oportunidades na primeira parte e zero golos. A este nível, a Islândia é uma equipa com várias debilidades. Não tem capacidade criativa, vive de um futebol linear que gosta do choque. Tal como no Euro’2016, fez o possível. E já é extraordinário que um país de pouco mais de 334 mil habitantes consiga disputar competições desta importância.

O França-Dinamarca foi um jogo chato (0-0). A equipa francesa segue sem convencer. É muito previsível. Falta-lhe fantasia, sobra-lhe músculo. A Dinamarca queria empatar e conseguiu-o, sem arriscar, sem mostrar argumentos para ir muito mais longe.

O Austrália-Perú voltou a evidenciar as limitações do futebol da gigantesca ilha e mostrou como Carrillo poderia ser um dos grandes a nível global. Excelente golo, outra exibição de qualidade. O melhor peruano 36 anos depois de Cubillas (que depois seguiu para o FC Porto, no qual marcou uma época) e da anterior participação num Mundial. Como este Carrillo não triunfou quer no Sporting quer no Benfica, e como está a desperdiçar um lugar no futebol é um crime que ele comete contra si próprio.

Recomendadas

“Não podemos pagar estes ordenados”. Ex-FC Porto autorizado pelo Galatasaray a procurar novo clube

Um salário anual de cinco milhões de euros já tinha gerado desconforto em 2019, ano em que Falcao chegou à Turquia para assinar pelo Galatasaray. A crise financeira aliada à eliminação da Liga dos Campeões, coloca o avançado na porta de saída.

La Liga cede participação de 10% à CVC Capital Partners por 2,7 mil milhões de euros

O acordo alcançado com a CVC Capital Partners avalia a La Liga em 24,250 mil milhões de euros, com a La Liga a prever que o negócio permita atenuar os efeitos da pandemia da Covid-19 na principal liga espanhola.

SL Benfica na Champions. Viagem de 21 dias rumo aos milhões da UEFA começa hoje em Moscovo (com áudio)

No duelo dos números, as ‘águias’ (avaliadas em 323,5 milhões de euros) valem mais do dobro do Spartak de Moscovo. O plantel do clube russo, treinado agora por Rui Vitória, está avaliado pelo Transfermarkt em 144,3 milhões de euros. É o primeiro de quatro jogos (na melhor das hipóteses) em 21 dias que poderão definir o sucesso ou insucesso do SL Benfica esta temporada.
Comentários