PremiumMunicípios madeirenses procuram atrair habitantes com incentivos à natalidade

Funchal, São Vicente e Calheta são três autarquias com programas que incluem uma comparticipação nas despesas das famílias residentes com creches, ensino e transportes escolares das suas crianças.

Os dados da Direção Regional de Estatística (DREM) indicam que a Madeira tem vindo a perder população e tido saldo negativos no balanço entre nascimentos e mortes. Entre 2018 e 2019, a ilha passou de 254.254 para 253.945 pessoas, e no mesmo período teve um saldo natural negativo de 788 e 811. A Madeira registou 1.891 nascimentos, em 2018, e 2.679 mortes, resultando num saldo negativo de 788. Em 2019 a região contabilizou 1.919 nascimentos e 2.730 mortes, resultando num saldo negativo de 811.

Para tentar combater esta realidade várias autarquias da Madeira possuem programas de incentivo à natalidade.

O Funchal, capital e maior município da Madeira, com cerca de 104.024 habitantes, tem vários tipos de incentivos. A autarquia refere que desde 2015 tem apoios para a natalidade e famílias que incluem apoio financeiro, que pode ir até 50 euros por mês nos três primeiros anos de vida da criança; apoio financeiro à frequência da creche, com 25 euros por mês para mensalidades iguais ou superiores a 75 euros; apoio até 200 euros por ano para despesas de saúde e alimentação; e apoio de 100 euros para material escolar de estudantes do ensino secundário ou equivalente.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 7 de maio.

Recomendadas

PremiumEuro2020 pode ser pontapé para relançar mercado publicitário das marcas

Cobertura mediática será maior do que em 2016, mas é pouco provável que se traduza em recordes de audiências, dizem especialistas. Ainda assim, as marcas deverão aproveitar a oportunidade.

PremiumBem-estar no trabalho: Em busca de um novo equilíbrio no pós-pandemia

“As pessoas estão a mostrar a sua essência e isso permite aprender lições importantíssimas”. Quem o diz é José Soares, professor de Fisiologia, alertando para a importância de empresas e colaboradores trabalharem juntos para se alcançar um equilíbrio sustentável.

PremiumCimeira Biden-Putin arrisca novo fracasso entre potências

Nenhuma das partes parece ter grandes perspetivas face ao encontro entre os dois líderes. Mas, para lá das divergências conjunturais, as duas potências estão condenadas a manterem uma relação estrutural.
Comentários