Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Cristina Bernardo

Em declarações ao Jornal Económico, a Associação Mutualista Montepio Geral, dona do Banco Montepio, reagiu à notícia, avançada pelo Expresso, de que poderia estar na calha uma fusão do seu banco com o BCP.

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização. Pela matriz e pelos valores mutualistas que enquadram e suportam a atividade do Banco Montepio, uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação Mutualista Montepio e dos seus associados”, refere a instituição liderada por Virgílio Lima.

A Associação que tem ligeiramente acima de 600 mil associados, lembra que o Banco Montepio “faz parte integrante do Grupo Montepio no seu todo, seja porque constitui a rede de distribuição da Associação Mutualista, seja porque o seu capital são as poupanças dos associados, seja porque é prestador de serviços à Associação Mutualista ou, ainda, porque os seus clientes são, fundamentalmente, os associados. Por todas essas razões, o Banco assume para a Associação uma elevada relevância estratégica, constituindo um ativo cujo valor de uso é muito superior ao valor de mercado”, refere fonte oficial da Associação Mutualista.

A dimensão do ativo do subgrupo bancário corresponde a 87% do balanço consolidado da Mutualista Montepio.

O Expresso avançou este fim de semana que o presidente do banco, Miguel Maya, manifestou a disponibilidade (de integrar o Banco Montepio) em reunião com o Ministro das Finanças, na sequência de o Governo e o setor financeiro estarem preocupados com o Banco Montepio, que apresentou recentemente um forte plano de reestruturação ao Banco de Portugal. Entretanto, em vários fóruns, Miguel Maya já veio desmentir dizendo que “não estabelecemos nenhuns contactos com o Ministério das Finanças sobre o tema do Montepio nem estamos a analisar nenhuma operação com o Montepio”, disse o CEO do banco.

De acordo com o presidente do BCP, a estratégia do banco passa por um “crescimento orgânico” mas não rejeitou estudar a fusão com o Banco Montepio ou outras operações que “surjam que justifiquem uma análise rigorosa”. Para já, Miguel Maya reforça que a “proteção do balanço do banco é a prioridade absoluta”.

A Associação Mutualista vai reunir-se no próximo dia 30, quarta-feira, em Assembleia Geral Extraordinária, pelas 20h00, com dois pontos na ordem de trabalhos. A saber: “deliberar, nos termos do artigo 65.º n.º 6 dos Estatutos, sobre a proposta de modificações do Regulamento de Benefícios”;   e “deliberar sobre o Relatório e Contas Consolidadas, bem como sobre o Parecer do Conselho Fiscal, referente ao exercício de 2019”.

Banco tem de reduzir dimensão para aumentar o rácio de eficiência

O redimensionamento do Banco Montepio saltou para a ribalta quando foi conhecido o Plano de Reestruturação que foi entregue ao supervisor e que já está nas mãos do Ministério do Trabalho e da Segurança Social.

O Banco Montepio vai entregar o plano de transformação aos trabalhadores no próximo dia 6 de outubro e prevê a saída entre 600 a 900 pessoas.

O plano — que é um plano de corte de custos — prevê um reajustamento do quadro de pessoal. Para isso, o Banco Montepio diz que vai lançar “um programa destinado a criar oportunidades para os colaboradores que entendam sair”.

“Com base nos cenários analisados e nesse quadro plurianual, estima-se um intervalo máximo indicativo de redução de pessoas entre 600 a 900, tendo para o efeito sido requerida junto das entidades competentes [MTSSS] a possibilidade de alargamento de quota para subsídio de desemprego, com o intuito de facultar proteção acrescida em situações de saída, facto que já foi partilhado com as estruturas representativas dos trabalhadores”, refere uma comunicação interna, assinada pelo Chairman e CEO do banco, e que foi tornada pública na semana passada.

Estão previstas saídas de trabalhadores por reforma antecipada e rescisões por mútuo acordo e ainda a realocação de trabalhadores que pretendam ficar no banco e ainda o reajustamento operacional, que vai acelerar a transição digital do banco. Por isso, e para “optimizar o mix de distribuição”, o banco já decidiu encerrar 37 balcões que considera “redundantes geograficamente”, estando ainda em análise “cerca de 40 balcões, segundo critérios de relevância geográfica, rentabilidade e dimensões do mercado”.

O objetivo do plano de transformação é tornar o Banco Montepio num banco “eficiente” e “rentável”. “Desta forma, pretendemos ajustar a nossa operativa e modelo de serviço aos clientes, aproximar os rácios de eficiência do Banco Montepio aos do sector bancário português, simplificar a estrutura do grupo e racionalizar a oferta”.

Em junho, tinha um rácio cost-to-income de 75,5%, quando a média do sector bancário no primeiro semestre era de 58,7%.

Ler mais
Relacionadas

BCP não está a analisar qualquer fusão com o Montepio

“A notícia não tem fundamento, nunca falei com Ministério de Finanças” disse ao Jornal Económico, Miguel Maya.

Montepio entrega plano de transformação aos trabalhadores dia 6. Previstas entre 600 a 900 saídas

Plano de transformação do Banco Montepio entregue aos trabalhadores dia 6 outubro e prevê a saída de, pelo menos, 600 pessoas, e um máximo de 900, através de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo. Já estão identificados 37 balcões para encerrar, estando mais cerca de 40 em equação.
Recomendadas

Deutsche Bank anuncia lucros de 309 milhões de euros no terceiro trimestre

No período homólogo, o banco tinha registado um prejuízo de 832 milhões de euros.

Grupo Santander prevê redução de postos de trabalho em Portugal entre outros países

O presidente executivo (CEO) do Santander, José António Álvarez, insistiu na conferência de imprensa sobre os resultados do banco até finais de setembro, que o alcance deste novo ajustamento está ainda por determinar e que os sindicatos serão os primeiros a tomar conhecimento dele.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.
Comentários