PremiumMVGM está focada em Lisboa mas vê “oportunidades” no Porto

A imobiliária holandesa pretende crescer no setor residencial em Portugal, onde entrou com a compra da área de gestão da JLL, mas não deixará de “piscar o olho” a novas oportunidades de negócio.

A gestora imobiliária holandessa MVGM pretende triplicar o seu volume de receitas até 2022, passando dos atuais 125 para 375 milhões de euros, no conjunto dos dez países (Portugal, Holanda, Bélgica, República Checa, Alemanha, Luxemburgo, Roménia, Espanha, Polónia e Eslováquia) onde tem espalhados os seus 38 escritórios. Os últimos três territórios a integrarem a rede da gestora foram Espanha, Polónia e Portugal, onde a MVGM chega através da compra do segmento de property management da promotora JLL.

Em declarações ao Jornal Económico, Miguel Kreiseler, managing director da MVGM em Portugal, que transita juntamente com outros 37 membros da JLL para a MVGM, afirma que depois da entrada em Portugal, o grupo holandês tem agora o objetivo de “liderar este mercado a nível europeu até ao final do próximo ano”. Com a entrada no mercado português a MVGM passa a deter um portefólio de 1.100 milhões de euros numa área de mais de 850 mil m2, repartidos por 75 projetos. Em termos de região o foco estará na cidade de Lisboa, “pela sua dimensão e natureza, mas temos também algumas pessoas da nossa equipa no Porto e poderá vir também a ser um mercado de oportunidade”, salienta o responsável da MVGM em Portugal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Taxa de juro no crédito à habitação caiu para 1,011% em dezembro

Este valor representa uma descida de 0,6 pontos base (p.b) face ao mês anterior (1,017%).

Preços das casas em Portugal subiram 14% em novembro

Desde março de 2018 que as variações homólogas dos preços das casas em Portugal registam valores mensais superiores a 14%, excepto por um mês.

PremiumHostmaker: “Se matarem o alojamento local vão ter que o reativar”

David Costa, executivo da empresa em Lisboa, critica as medidas que o Estado pretende introduzir no setor no Orçamento do Estado para 2020: “O alojamento local tem custos bastante superiores ao alojamento tradicional”.
Comentários