PremiumMVGM está focada em Lisboa mas vê “oportunidades” no Porto

A imobiliária holandesa pretende crescer no setor residencial em Portugal, onde entrou com a compra da área de gestão da JLL, mas não deixará de “piscar o olho” a novas oportunidades de negócio.

A gestora imobiliária holandessa MVGM pretende triplicar o seu volume de receitas até 2022, passando dos atuais 125 para 375 milhões de euros, no conjunto dos dez países (Portugal, Holanda, Bélgica, República Checa, Alemanha, Luxemburgo, Roménia, Espanha, Polónia e Eslováquia) onde tem espalhados os seus 38 escritórios. Os últimos três territórios a integrarem a rede da gestora foram Espanha, Polónia e Portugal, onde a MVGM chega através da compra do segmento de property management da promotora JLL.

Em declarações ao Jornal Económico, Miguel Kreiseler, managing director da MVGM em Portugal, que transita juntamente com outros 37 membros da JLL para a MVGM, afirma que depois da entrada em Portugal, o grupo holandês tem agora o objetivo de “liderar este mercado a nível europeu até ao final do próximo ano”. Com a entrada no mercado português a MVGM passa a deter um portefólio de 1.100 milhões de euros numa área de mais de 850 mil m2, repartidos por 75 projetos. Em termos de região o foco estará na cidade de Lisboa, “pela sua dimensão e natureza, mas temos também algumas pessoas da nossa equipa no Porto e poderá vir também a ser um mercado de oportunidade”, salienta o responsável da MVGM em Portugal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Avaliação das casas subiu para os 1.128 euros\m2 em agosto

Este valor representa um aumento de apenas um euro face ao mês anterior e uma desaceleração em termos homólogos, tendo a taxa de variação abrandado de 8,0% em julho para 7,0% em agosto.

Empresa espanhola garante construção de dois edifícios em Oeiras por 71 milhões de euros

A Acciona conquistou dois contratos na região de Lisboa. Tratam-se do Fórum Municipal, encomendado pela Câmara Municipal de Oeiras por cerca de 45 milhões de euros, e o projeto Gestilar Residences Miraflores, encomendado por um cliente privado, o grupo Gestilar, por mais 26 milhões de euros.

Procura excede a oferta e preços subiram 12% face a 2019. Pandemia não afeta imobiliário na Alemanha

O preço do metro quadrado atinge os oito mil euros em Munique, os 5.800 euros em Frankfurt e quase cinco mil euros na cidade de Hamburgo, enquanto a média nacional é de três mil euros.
Comentários