N26 quer chegar aos 100 mil clientes em Portugal até ao final do ano

Em julho de 2019 o N26 chegou ao mercado norte-americano e os planos de expansão passam por entrar no mercado australiano, brasileiro e canadiano.

O banco digital alemão N26 quer acabar o ano com 100 mil clientes em Portugal. A novidade foi dada por Sarunas Legeckas, o general manager do N26 para Portugal, esta manhã, no “Grande Encontro Banca do Futuro”, em Lisboa, organizado pelo “Jornal de Negócios”.

“Temos sido muito secretivos em relação a isso, mas vou aproveitar a minhas primeira visita a Portugal e posso dizer que temos tido um grande crescimento aqui e pretendemos acabar o ano com 100 mil clientes”, anunciou o general manager do N26.

Questionado sobre a possibilidade de o banco abrir um escritório em Portugal, Sarunas Legeckas deu o exemplo do Spotify, empresa sueca de streaming de música. Na opinião do general manager do N26, é uma empresa com escala e que está centralizada em apenas um país. Por isso, disse, “não temos planos para abrir um escritório em Portugal no curto-prazo”.

Ainda assim, Sarunas Legeckas admitiu que há talento nacional a trabalhar no N26, mas que está todo em Berlim, capital alemã e sede do banco.

Fundado em 2013, o então Number 26 começou a operar sem uma licença bancária. Esta foi concedida em julho de 2016 pelo BaFin (autoridade de supervisão financeira alemã). Em dezembro desse ano, o renomeado N26 passou a atuar nos países da zona euro, através da conta corrente, o serviço financeiro mais básico que presta.

“Começámos por querer ser o primeiro banco pan-europeu. Mas depois expandimos a nossa visão para nos tornarmos no primeiro banco digital de retalho”, disse Sarunas Legeckas.

Em julho de 2019 o N26 chegou ao mercado norte-americano e os planos de expansão passam por entrar no mercado australiano, brasileiro e canadiano.

Ler mais
Recomendadas

“Mercados em Ação”. “Novo Banco? Se fosse em 2013, isto tinha rebentado com o mercado para Portugal”

Nesta edição do programa da JE TV, Shrikesh Laxmidas (diretor-adjunto do JE), Marco Silva (consultor de estratégia e investimento) e Pedro Lino, administrador da Optimize Investment Partners, analisaram o impacto do ‘travão’ parlamentar ao financiamento do Novo Banco.

BCE obriga bancos sistémicos a avaliarem antecipadamente o risco de incumprimento nos contratos em moratória

Há seis novas diretrizes do BCE aos bancos de importância sistémica e os CEO dos bancos têm de responder ao supervisor europeu até 31 de janeiro de 2021. O BCE diz que os bancos supervisionados devem realizar uma avaliação regular da improbabilidade de os créditos serem pagos, incluindo aqueles que estão protegidos pela moratória de pagamento, usando todas as informações relevantes e disponíveis.

Fusão do CaixaBank com o Bankia aprovada em assembleia geral

Criação do maior banco em Espanha está agora apenas dependente da aprovação das autoridades regulamentares competentes. Agência de notação financeira DBRS diz que os benefícios da fusão vão demorar tempo a serem atingidos e alerta para a deterioração do rácio de NPL do CaixaBank logo após a operação.
Comentários