Na Europa, ninguém nos ouve berrar!

A Comissão demorou meses a assinar os contratos de compra das vacinas. Misturou, numa negociação interminável, a burocracia de Bruxelas com a austeridade alemã. O preço a pagar está a ser caro.

O título não é meu, é da “Economist” de 3 de fevereiro, mas é muito ilustrativo daquilo que considero, em grande medida, ser um dos piores males da Europa.

Os governos nacionais estão sistematicamente sujeitos a “berros”. Têm os partidos da oposição à espera de qualquer erro ou deslize (às vezes até inventam alguns), têm os sindicatos, as ordens profissionais, as organizações patronais, etc. Todos a olharem para interesses específicos e cada um com a sua perspetiva sobre certo e errado, “do’s e dont’s”.

Um governo nacional que tivesse gerido o processo de aquisição e distribuição das vacinas com a inépcia europeia estaria agora pelas ruas da amargura.

A história começou, aparentemente bem. Uma Europa unida, solidária com uma sorridente Ursula von der Leyen, anunciava a negociação da compra e a subsequente repartição das doses pelos vários Estados-membros. Esta solução dava-nos força para negociar, para conseguir volume e rapidez e para ninguém, sobretudo os pequenos, ficarem para trás.

Para um país como o nosso a solução parecia ideal. Mas a realidade da máquina burocrática europeia, sem oposição e sem crivo político, sobrepôs-se rapidamente ao ideal inicial.

Os números são avassaladores: em meados de fevereiro a União Europeia (UE) e Portugal tinham menos de 10% da população vacinada. Os Estados Unidos estavam a ultrapassar a barreira dos 10%, o Reino Unido (RU) a dos 20% e Israel a dos 50%.

A 9 de maio, a UE (e Portugal com números quase iguais) não tinham chegado aos 30%, os Estados Unidos ultrapassavam os 45%, o RU os 50% e Israel atingia cerca de 65%.

A Europa civilizada, unida e produtora de vacinas continua longe, muito longe, de números aceitáveis e compara muito mal com os exemplos citados. Em particular, com o “mal-amado” Reino Unido dando alguma força aos advogados do Brexit.

A Comissão demorou meses a assinar os contratos de compra das vacinas. Misturou, numa negociação interminável, a burocracia de Bruxelas com a austeridade alemã. Negociou cêntimos num processo em que a motivação financeira devia ser o último argumento. Depois, perante a dificuldade de fornecimento da AstraZeneca a reação foi desadequada e muito pouco eficaz.

Em bom rigor, a responsabilidade, mais do que da Comissão ou da Sra. Von der Leyen é dos vários governos. Eles é que delegaram na Comissão e eles é que escolheram a presidente desta mesma comissão.

Uma escolha que desde o início não trazia bons prenúncios: assegurou a pasta da defesa no governo de Angela Merkel com enormes críticas, e foi uma escolha de último recurso depois de dias de negociações intermináveis e com uma maioria muito apertada. Mas ao delegarem nela, os governos isentaram-se de parte das responsabilidades, evitaram críticas e barulho sobre uma solução que, a ser deles, teria sido destruída pelos opositores.

O preço a pagar por esta trapalhice está a ser caro. Com muitos países ainda a gerirem números preocupantes de infetados. Com uma imunidade de grupo que não chega, e com uma Europa a meio gás, com repercussões económicas incalculáveis. E nós, cidadãos europeus zangados com esta situação, protestamos, mas infelizmente ninguém nos ouve berrar na Europa!

Recomendadas

Aula de formatação das consciências

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento suscita divisão entre aqueles que aprovam um guião escolar das consciências e aqueles que reconhecem o carácter discutível e ideológico de alguns dos seus conteúdos.

O PRR e as Autarquias

A Habitação é uma das alavancas da recuperação económica do país pelos múltiplos impactos que tem em diversos sectores da Economia. Como tal, funciona de barómetro da “saúde económica” do país.

Quer deixar um legado às próximas gerações?

Os líderes políticos vão ter que tomar cada vez mais decisões complexas, muitas delas com consequências nem sempre benéficas no imediato, na procura de um bem-comum colectivo no futuro. O contributo da ciência psicológica é relevante para aumentar as nossas hipóteses de sucesso. 
Comentários