Na hora de investir, lembre-se destas oito regras de ouro

Investir é uma decisão complexa e que acarreta alguns riscos. No entanto, há regras de ouro que apelam ao bom senso e que podem ajudar a ter atitude mais acertada perante os seus investimentos.

A forma como lida com o seu capital pode determinar o seu modo de vida. Poderá estar contente com aquilo que dispõe, mas também poderá estar insatisfeito e querer mais. Neste caso, terá de ‘esticar’ o seu capital e, se não estiver perto de ver o seu salário aumentado, poderá sempre investir.

Tornar-se num investidor e decidir sobre que investir são decisões que exigem algum cuidado. Regra geral, quanto mais informações sobre os ativos que lhe interessam, mais seguro se vai sentir. Há regras de ouro que podem orientá-lo a tomar as decisões mais acertadas, como relata o Banco BIG – Banco de Investimento Global.

 

1. Ter as suas finanças pessoais arrumadas

Warren Buffett, um dos investidores mais conhecidos do mundo e que tem uma fortuna avaliada acima dos 85 mil milhões de dólares, tem um conselho simples para todos nós, desde investidores da alta finança até a domésticas.

“Não poupe o que lhe resta depois de gastar; em vez disso, gaste aquilo que lhe resta depois de poupar”, diz o investidor. Pense em não gastar – leia-se, investir – aquilo de que não dispõe. Por outras palavras, quando decidir começar a investir, certifique-se que não tem dívidas para pagar e que tem dinheiro de perto para suportar os seus investimentos.

 

2. Esteja sempre informado

Não invista naquilo que não conhece. Sempre que optar por investir num determinado ativo, procura informar-se sobre ele e sobre a área em que ele se insere. Por exemplo, se decidir investir em imobiliário, leia notícias sobre a atividade imobiliária. Se preferir investir em ações de empresas tecnológicas, leia atentamente as notícias sobre o índice norte-americano Nasdaq, onde as ações das empresas de tecnologia estão cotadas. Paralelamente, pode também procurar obter informações junto de especialistas.

 

3. A decisão é sua e não deve imitar os outros

Na hora de decidir aplicar o dinheiro, tenha sempre em mente que o capital é seu e, por isso, a decisão é sempre sua. Seguir os conselhos dos especialistas pode, em princípio, ajudá-lo a tomar a decisão mais correta, mas deve sempre perceber se determinado investimento se adequa aos seus objetivos.

 

4. Seja paciente

Este conselho deve nortear todas as suas decisões de investimento, mas aplica-se especialmente ao mercado bolsista que, regra geral, é mais volátil – isto é, está sujeito a várias subidas e descidas. Quando vir as suas ações a desvalorizarem, é importante não entrar em pânico e perceber o que está a acontecer. O importante é ter sempre uma perspetiva de longo-prazo para poder alcançar bons retornos sobre o seu investimento.

 

5. Saiba qual é o seu risco

O risco pode ser definido como a probabilidade de perder todo, ou parte, do capital que investiu. Tudo depende do seu perfil enquanto investidor, isto é, qual o montante das suas poupanças está disposto a arriscar. Investir não é como jogar a roleta do casino; é antes um estudo analítico sobre as tendências do mercado e da conjuntura macroeconómica. Em última análise, quanto mais informado estiver, em princípio mais mitiga o risco dos seus investimentos. Em qualquer caso, o conselho aqui é nunca se pôr numa situação com a qual não se sente confortável e respeite sempre a sua aversão ao risco.

 

6. Diversifique o seu investimento

Não coloque todo o seu capital num único ativo. Porquê? Porque se o seu investimento correr mal, perde tudo. Por isso, diversifique o seu investimento, ou seja, procura vários investimentos alternativos e em simultâneo. Assim, não só mitiga o risco do seu investimento, como também pode compensar possíveis perdas com outros ativos que estejam a ter um desempenho mais positivo.

 

7.  Mantenha os pés assentes no chão

Da mesma forma que é não entrar em pânico quando os seus investimentos passam por períodos menos positivos, também é importante não entrar em excessos de confiança quando começa a ver os retornos dos seus investimentos a entrarem na sua carteira. Lembre-se que os mercados são cíclicos e o que hoje é verdade, amanhã pode não o ser.

 

8. Aumente o seu portefólio de investimentos

Voltamos ao tema da diversificação, mas aqui a tónica assenta no aumento de liquidez dos ativos, no seu conjunto, com uma perspetiva de longo-prazo. Mais importante do que investir apenas em ativos que não desvalorizem, é alocar o seu capital em ativos que, ao longo do tempo, aumentam a liquidez do seu portefólio.

Ler mais
Recomendadas

Simulador de pensões na função pública estará pronto no início de 2019

“Estamos a finalizar” o simulador de pensões da Caixa Geral de Aposentações, disse Vieira da Silva,

“Offline na condução, Online na vida”. Brisa reforça campanha de segurança no Natal

Esta iniciativa conta com o apoio institucional da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, do Instituto da Mobilidade e dos Transportes, da Federação Motociclismo Portugal, da BP e do piloto de MotoGP Miguel Oliveira, embaixador para a segurança rodoviária da marca.

Quer viver em zonas nobres da cidade? Co-living pode ser a solução

Este conceito é cada vez mais posto em prática e pode ser a melhor opção para quem pretende dividir as despesas comuns do dia-a-dia, além de não existir um contrato de arrendamento.
Comentários