PremiumNa ressaca da crise, João Leão insiste nas contas certas

Ministro das Finanças garante que o atual Orçamento mantém o caracter expansionista, mas metas orçamentais voltam a ganhar peso. Para o próximo ano, Governo prevê uma melhoria do défice de 1,2 p.p. do PIB face a 2021.

Cristina Bernardo

O caminho da consolidação orçamental começa a ser trilhado, mas João Leão garante que o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) está longe de ser considerado contracionista. O ministro da tutela que, apresentou as linhas gerais do documento entregue esta segunda-feira no Parlamento, garante que no ano em que o crescimento económico permite superar nível pré-pandemia, o défice orçamental cai para 3,2%, enquanto acomoda medidas de alívio fiscal para as famílias, mas não afasta riscos como o impacto da inflação e da política do Banco Central Europeu. No entanto, em caso de necessidade, no Terreiro do Paço garante-se que não se ficará preso à meta.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

CGTP diz que chumbo do OE2022 deve-se a falta de vontade política do Governo

Para a CGTP a proposta do Governo não promovia o necessário crescimento dos salários e pensões, nem maior justiça fiscal, não acabava com a precariedade laboral, nem travava a destruição de postos de trabalho por grandes grupos empresariais, nem sequer promovia contratação coletiva.

Duodécimos limitam execução mensal até à entrada em vigor de novo orçamento

“Durante o período transitório em que se mantiver a prorrogação de vigência da lei do Orçamento do Estado respeitante ao ano anterior, a execução mensal dos programas em curso não pode exceder o duodécimo da despesa total da missão de base orgânica”, pode ler-se na lei de Enquadramento Orçamental atualmente em vigor.

OE2022. ‘Chumbo’ reflete “saturação pelo modelo de governação”, afirma presidente da CAP

Falando à margem da conferência sobre o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), promovida pelo Fórum para a Competitividade, que hoje decorreu em Lisboa, Eduardo Oliveira e Sousa recebeu sem surpresa o chumbo da proposta orçamental, salientando que os últimos debates na Assembleia da República “foram esclarecedores” relativamente “a uma espécie de saturação que vinha a ser demonstrada sobre o modelo de governação que estava em exercício”.
Comentários