“Não constituem a resposta que se esperaria”. FNE critica medidas anunciadas pelo Governo

Federação Nacional da Educação critica a “indisponibilidade para o diálogo” e a “falta de transparência” do Ministério da Educação, que acusa de teimar em não divulgar dados concretos sobre “a real dimensão” do problema no setor.

“As medidas anunciadas no passado fim de semana, no que diz respeito à Educação, não constituem a resposta que se esperaria do Governo em relação aos problemas concretos que hoje estão identificados nas nossas escolas e servem apenas para libertar o Governo das responsabilidades que deve assumir, fazendo-as transferir exclusivamente para o domínio do comportamento individual e coletivo”, afirma a Federação Nacional da Educação em comunicado, enviado às redações esta segunda-feira,23 de novembro.

O primeiro-ministro, António Costa anunciou este sábado, 21 de novembro, que as aulas estarão suspensas em todo o país nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro, vésperas dos feriados de 1 e 8 de dezembro.

Segundo a estrutura liderada por João Dias da Silva “a falta de informação não permite a compreensão de decisões”, que além heterogéneas são “contraditórias, desajustadas, incompletas”.

A FNE critica, por outro lado, a “indisponibilidade” e a “falta de transparência” do Ministério da Educação, “em teimar em não divulgar dados concretos sobre a real dimensão do problema” no setor. “É imprescindível que todos os que estão nas escolas se sintam completamente seguros para poderem trabalhar com qualidade”, salienta.

A FNE reivindica ainda que o Ministério da Educação defina “orientações e procedimentos “claros e homogéneos, de forma a garantir o mais possível a saúde e a segurança de todos, bem como “a efetiva concretização nas melhores condições possíveis dos processos de ensino-aprendizagem no presente ano letivo”. E lembra que  em julho passado apresentou um conjunto de propostas e que se por um lado, “era imperioso que se retomasse a atividade letiva presencial; por outro lado, era incontornável que se deveria garantir o primado das condições de promoção da segurança e da saúde de todos, através de medidas de prevenção e controlo”.

Recomendadas

Rodrigo Queiroz e Melo: “Escolas? Questão de saúde pública não se vai resolver em 15 dias, seguramente”

Em entrevista à JE TV, Rodrigo Queiroz e Melo, diretor-executivo da AEEP – Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo, fala sobre a perspetiva dos privados relativamente a esta paragem letiva decretada pelo Governo. Este responsável acredita que dentro de 15 dias, terão início as atividades letivas de forma não presencial.

Bruxelas quer ‘hub’ de educação digital para aumentar coordenação entre os 27

A comissária europeia da Educação e Juventude anunciou, esta sexta-feira, a apresentação, ainda este ano, de uma proposta concreta para estabelecer um ‘hub’ de educação digital”. Tem como objetivo permitir aos estados-membros trabalhar em conjunto no campo estratégico da educação e formação.

Obrigar ensino particular à distância a parar é medida “totalitária” e “marxista”, diz Rui Rio

O presidente do PSD considera que a suspensão das aulas online no ensino privado “nada tem a ver com a defesa do interesse público” e “muito menos com a defesa da saúde pública”. “É a esquerda no seu pior”, diz.
Comentários